Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DOS GRILOS NOTURNOS

“Acordei agora com um grilo. Depois eu conto...”
João Justiniano da Fonseca.

E daí, qual é o resultado vocabular, poemia concreta do tal grilo noturno?

Não seria um pirilampo, humilde vaga-lume, a troçar pelos céus da Bahia do Salvador?

E, se engolido, nunca seria uma lamparina errante, e, sim uma lanterna andarilha, patinhas trôpegas, tudo de humano acompanhando as luzes furtivas.

Seria o tal grilo a saudade, aos copos, aos goles ou às lágrimas?

Diga, diga logo sobre o tal noturno bichinho, porque meus cães soturnos sempre uivam, mesmo que Papai Noel transite pelas estradinhas siderais, com suas renas, o seu trenó de sonhos, fantasias e lendas.

Estou por aqui, sentinela da Pátria ao Sul do Mundo, olhos úmidos, rezando pela Paz. Pela Fraternidade Universal, nestes tempos natalinos de luzes e sombras.

– Do livro EU MENINO GRANDE, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/150140
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 04/05/2006
Reeditado em 21/09/2008
Código do texto: T150140
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3524 textos (882781 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/04/20 21:23)
Joaquim Moncks