Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EROS, O CAMINHO

Ainda em mim a mesma flor, o inusitado que eletricamente me chama. E nada é mais bonito, eis que a canção é tudo. Chove dentro de mim a antiga silhueta, a muda de semente e fogo. Está prenhe a inquietude em meu sol aparentemente pleno de tudo.

Cervejas e phallos sabem dos desatinos eróticos. Nada de desafios em que me planta a emoção. Volto às esquinas sonhando vênus e  rios, o riso fácil com quem bebo. Sei do que contam desejos e guardanapos em tua face marota. Há a menina além das retinas em cada toque, em cada gesto.

Subtraio-me a cada vez que me funde a cuca. Traduz-se o verso movido a emoção. Sei de mim como o traste de fazer da palavra o uso que já nem sabemos. O corpo freme como da vez primeira e sou marujo na verga dum frágil barco.

Ainda não sei do perfume que sobe ao olfato, mas a aliança na mão do destino confidencia a noite, a gávea frágil dos ventos em que me perco, albatroz e foz do gozo. Nada sabe o verso, apenas a mão em teu umbigo desejoso, que resguarda a musa, seus dengos e mitos.

A carruagem tem cavalos alados e monto o destino como um cata-vento de açúcares. Espero a chave de teus pudores para que me craves a emoção de prata. Amanhã nascerá o dia e já seremos unos.

Molha-me a chuva imaginária e voltam os mesmos desenhos no canto da boca.

Trago uma flor cerrada nos dentes.

– Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005, p. 19.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/23280
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 09/06/2005
Reeditado em 05/07/2011
Código do texto: T23280
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 73 anos
3584 textos (902599 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/07/20 00:24)
Joaquim Moncks