Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Caro Poeta

Re-edição. Publicada no Recanto em 14/02/2006
Por motivos somente meus...



De nada adianta meu sopro
Se a folha não quer sair do lugar
De nada adianta estudar o inimigo
Se a folha está parada no mesmo lugar


Uma estrada
necessita de duas mãos
Ida e vinda
senão não se pode trafegar

A planta precisa ser regada
senão não irá florir
A vida precisa ser vivida
senão os sonhos acabam


Muitos preferem a calmaria
Outros querem a loucura de um amor
mesmo que seja por segundos


Muitos preferem não sofrer
Outros se entregam às paixões sem medo do amanhã


Uns querem o sabor do vinho em sua boca
outros preferem água com gás
Uns querem o coração batendo descompassado
Outros querem se sentar no sofá e ver TV

E quem sou eu pra dizer quem está errado?
Eu, que sou sou tão desmedida
tão descabida
que sou tão sem lugar
que guio por estradas incertas
que olho o mundo pelo prisma da paixão?


Não! Não sei o que é certo nem errado
Não planejo nada
Não estudo os inimigos porque não vejo inimigos
Caio, levanto e continuo andando
Posso amar desmesuramente
Posso me apaixonar cegamente
Posso me entregar aos sonhos
Posso viver os sonhos
Posso partilhar os sonhos
Posso te entregar meus sonhos
Posso te contar meus sonhos
Posso sonhar com você!


Mas não sou uma iguaria
Não sou uma berinjela!
Fátima Batista
Enviado por Fátima Batista em 28/01/2007
Reeditado em 01/12/2007
Código do texto: T361313
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fátima Batista
Santo André - São Paulo - Brasil, 56 anos
1436 textos (75155 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/19 06:33)
Fátima Batista