Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MAR ABERTO NA IMENSIDÃO DO SENTIR

O eterno e célere suspirar...
A efemeridade me cobra muitíssimo
Se tenho saber, tenho o sabor dos versos.

Respiro o sôfrego romper da manhã
Num cacho bárbaro de nuances e tal
Para me servir em bandeja de espuma.

Sei da vida, o que ela se despe em mim
Às vezes, rejeito e sigo apolítico, cético
Comendo farelos de memórias pútridas e untadas no sal.

Se estuporo tais fleimões desgastados e ignóbeis
É porque o amor me tem por inteiro
Não sei ser metade, não sei ter metade.

Parece o marulhar a beijar meus olhos
Uma epopeia de sentimentos íntegros e despejados da garrafa da manteiga, do bolo de rolo
Da vida plena achacada que se faz maravilha numa escandalosa manhã de pêssego.

Tenho de desfrutar e aquiescer ainda
Prezo as liras a me emoldurarem e a me aquecerem
Do calor insuportável que meu peito teima em abrigar.

Da mansidão ao relento, do olor de diesel e do remanso desse mar vindouro
Só pode ser ouro nas águas do mar, só pode o dízimo duma tarde esquecida.

Sou tenor dos meus sentimentos e não clamarei por auxílio
Nem que eu arfe na superfície a me desidratar, a vomitar as vísceras
Sorverei cada instante, cada átimo deste meu incessante perquirir.

O ato a me fitar, as coisas a se rebelarem na cabeceira da essência
Ah, não sei ser metade! Só hei de ser verdade e esta me valerá os anos...

Que assim eu veja!
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 18/11/2013
Reeditado em 18/11/2013
Código do texto: T4576346
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
740 textos (34740 leituras)
1 e-livros (257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/07/19 02:01)
Cesar Poletto

Site do Escritor