Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TENHO LÁGRIMAS E SORRISOS!...


Tenho lágrimas de tristeza chovendo em meu rosto... tenho lembranças amadas que me apertam o coração...

Tenho sorrisos nos lábios quando toco teu corpo palpitante... coberto de amores-perfeitos...

Trago nas mãos réstias de caules e folhas de flores... as pétalas de todas as flores que salpicam a estrada por onde passa o Amor e a saudade... algumas réstias de espinhos prendem meus passos na noite e mos devolvem na madrugada!

Vestida de pétalas de rosas... adornada por jasmins lilases... sigo na busca do amor-perfeito... que em sonhos se esfumou na estrada dum arco-íris florido!

Todo o sonho tem o seu espaço em branco... esperando a claridade do amanhecer...

Todo o poema tem um verso em branco esperando a rima mais bela...

Meus poemas sonham com uma música suave ou com uma guitarra que toque baixinho... seus versos doces e tristes... num fado triste e magoado...

Trago nas mãos cansaços que me afagam... meu corpo se aquieta numa tela vazia... minha insônia vagueia em cima duma cama solitária e fria... e as minhas recordações repousam nas palavras que saem da minha boca sedenta do calor do teu sorriso...

O silêncio vai doendo na solidão dos dias... o tempo marca o compasso das horas sombrias... e a vida marca de sulcos... meu rosto cansado das longas esperas pela justiça das injustiças passadas...

Meu quarto é meu refúgio... onde sonho as insônias geladas no aconchego duma cama vazia... onde grito o silêncio que ninguém pode ouvir... onde choro a distância que me separa dos amores que lá deixei...

Trago nas mãos a alma dos meus desabafos... feitos versos de solidão... feitos sonhos de esperança... vestidos de risos e cansaços...

As palavras que me agridem... não têm afeto ou carinho... nasceram em masmorras sombrias de dor e descompaixão... por entre sorrisos e lágrimas se fundem com a solidão...

As palavras que me agridem... têm a quimera por carcereira... e numa redoma de vidro prenderam uma esperança pequenina que não pode desabrochar porque seu viço secou...

A eternidade me acompanha a cada raiar de aurora... sorrisos e lágrimas que importa... a minha esperança é eterna... não seca como a outra pequenina que não pode desabrochar...

Minha esperança vem doce na tempestade... suave com o vento suão... com abraços fraternos de laços sem nós...

A vida nos dá dureza... e por vezes muita tristeza... mas como saber o seu sabor se não houvessem lágrimas e sorrisos... para além duma grande perda... para além duma enorme Dor?!

By@
Anna D’Castro
Anna DCastro
Enviado por Anna DCastro em 06/06/2016
Código do texto: T5659195
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anna DCastro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
207 textos (10902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/07/19 06:45)
Anna DCastro