Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HÁ POESIA EM TODAS AS COISAS


HÁ POESIA EM TODAS AS COISAS

Em tudo há poesia.
Em todas as coisas há poesia.
Mas é preciso ser sensível para senti-la e ve-la
em cada instante poético,
revelado no interior e exterior das paisagens,
que podem conter desde sonhos
esquecidos na rota de voos espirituais,
ao calor morno da réstia por entre a porta,
que se desvaneceu quando o ocaso
do sol apressou o fim da tarde anoitecida.
 
A poesia me segue como um bom anjo
que, embora tenha missões celestes especiais,
jamais deixa-me sofrer de carência poética,
e sempre me provém do influxo inspirador.
 
Os prazeres oníricos povoam a minha poesia.
 
É comum eu andar no meio da multidão,
e os versos fluírem diante dos meus olhos
com o mesmo ímpeto
natural das águas caindo das cascatas.
E quando eu olho abstraído
para as pessoas (admirado da miragem
poética), vejo a poesia brotando
de suas roupas molhadas, de seus olhos
em prantos, de seus sorrisos aquosos,
de seus passos enxarcados de versos chuvosos.
   
Para quem é sensível,
a poesia brota mesmo como uma miragem
desértica, mas embelezada
pela vegetação escassa do oásis.

A luz interior do poeta se mescla
com a luz solar na plena aridez do Saara.

Ciente da secura predominante,
no entanto, o poeta vê emergir
da água oásica, uns restos de versos
adormecidos até então,
no casulo artístico da alma;
e é como se a poesia despertasse
de sonhos prazerosos olvidados,
após o despertar do corpo
ainda sonolento, cuja alma, apenas
agora acaba de voltar das andanças astrais.
 
Os prazeres oníricos povoam a minha poesia.
 
Assim, com a alma provida de sensibilidade,
deixo que os versos brotem
pela visão espiritual onírica,
cujas imagens se transformam em pinturas,
esculturas e melodias quintessenciais,
que se movem pelas veredas da linguagem
poética instantânea,

enquanto o tempo sopesa a leveza da poesia,
retendo-a em sua passagem lenta
(só por pouco tempo),
que flutua comovida com a beleza simples
das coisas bem amadas pelas almas angelicais.
 
Escritor Adilson Fontoura

   
Adilson Fontoura
Enviado por Adilson Fontoura em 07/12/2017
Código do texto: T6192407
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adilson Fontoura
Itabuna - Bahia - Brasil
482 textos (6419 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 07:12)
Adilson Fontoura