Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOB OS DESTROÇOS O RESCALDO DA FÉ

O tempo passava por ali despercebido, como sempre passa, alheio às mudanças, acostumado que está a tirar tudo do lugar, sem jamais  pedir licença.
Apressado pelas horas idas nos relógios atrasados das mudas catedrais, sequer notara que ali  as  pessoas já não eram mais as  mesmas.
Haviam perdido o mais importante, o que ela não sabia identificar de imediato.
No burburinho da megalópole cosmopolita que não para nunca, sequer para respirar os  extintos ares  de direito, naquele dia ela petrificou seu olhar inquieto só para observar.
Pelo cenário destruído, procurou por algumas nuanças do que ainda lhe parecia familiar.
Enxergava uma obra algo urbana, algo selvagem, onde já não distinguia  “bichos- bichos”  do  bicho Humano e se perdeu por instantes no habitat  comum daquela arte eclética construída pelos tantos abandonados destinos do Homem .
Se fosse pela decomposição do todo arriscaria descrever a tela que via  como uma contemporânea arte cubista da insanidade .
Ali, toda a diversidade convivia num imenso  amontoado de mesmo espaço, desde a perdida dignidade humana até o rescaldo de todos os símbolos do que um dia fora  História emoldurada com o  glamour científico e urbanístico dos grandes mestres arquitetos, a imitar as megalópoles do sonhado “primeiro mundo’.
“Que escala de mundo seria aquele?”-sei que se perguntou.
Senti que segurou o ímpeto de contração dos músculos abdominais, nauseada que ficara com as notas ácidas misturadas às frações  das múltiplas  drogas combinadas ao odor fétido de uréia velha, fermentada.
Desejou algo que a socorresse dali...algum sinal de vida latente.
Quiçá uma brisa lhe tocasse a face de dantes, uma leve garoa refrescante a umidecer sua garganta seca, a limpar o fuligem acumulado nas almas perambulantes, a delirar ouvir  o canto fanhoso dum pássaro perdido e poluído de vida, tanto quanto  assim parecia  o sofrimento intangível das  pessoas jogadas ao léu das calçadas.
As cores fortes das edificações degradadas vez ou outra contrastavam com o piche de desenho obscuro , mensagens  advindas  de todos os ódios sociais  plantados pelas gerações peregrinas  que seguem pelas  perdições programadas sem serem vistas.
Dia antes alguém, já do lado de fora, pedia socorro na edificação que incendiava.
Não houve tempo.
Nas degradações sempre é tarde demais, ainda que estejamos do lado de fora delas.
Viu que a construção tombada  veio abaixo em chamas, qual a lava dum vulcão social erupcionado de raiva e aflição, cansado de  fervilhar  o engano das vidas suspensas, pseudo sustentadas nos esboços dos  arranhacéus erguidos sem alicerces humanísticos.
Pensou consigo mesma: ” como algo tombado e ruído poderia tombar e ruir mais ainda?”
Fez um rescaldo do pensamento  com os olhos e com a alma.
Ali existia gente, pedras e cinzas. A vida carbonizada.
"Sequer as fênix  ressurgiriam dali", concluiu.
Como num inventário do todo, ao lado, se surpreendeu com duas luminárias européias, confeccionadas com ferro  polido, hercúleas e impenetráveis, que tentavam soerguer o que sobrara da sua antiga cidade, a que já não mais reconhecia com sua.
Intactas, pareciam  cumprir  a missão  milagrosa de iluminar  o breu de todos os escuros impenetráveis.
Ali, mais uma vez, -como tantas vezes! alguma coisa acontecera - no seu coração...desde que sua cidada fora cognominada pela bela poesia da famosa esquina de outrora.
Ao fundo, a completar a tela dolorosa, percebeu a torre erecta e intacta da antiga  igrejinha Anglicana do Paissandú , a que, atônita, ensinava que nenhuma dor, tanto quanto nenhum  milagre, jamais chegam e sobrevivem  sozinhos.
E  mesmo no cenário mais ininteligível, onde o sofrimento faz morada sob os escombros da insensatez humana, ainda é possível se rescaldar a
 Fé soerguida e  inabalável.

Então , em meio ao campo minado de esperança, a lhe que parecia irremediavelmente  perdida, ela entendeu o recado ali desenhado.
Ajoelhou-se, rescaldou-se dos seus próprios escombros e rogou por piedade ao  todo esquecido.


Nota da autora: em profundos sentimento e lamento pelo tudo acontecido.
MAVI
Enviado por MAVI em 16/05/2018
Reeditado em 16/05/2018
Código do texto: T6338274
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MAVI
São Paulo - São Paulo - Brasil, 58 anos
5555 textos (358250 leituras)
1007 áudios (87863 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/18 14:05)
MAVI