Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A VAQUINHA DA PRIMEIRA DAMA

POR QUE ESTE LIVRO
Meu pai, militar destacado num vilarejo encravado no sertão cearense, com três meses de soldos atrasados, ano 1958. Eu tinha exatamente seis anos, quando conheci de perto a estúpida e arruinadora seca. Marcou-me profundamente o que vi. Não entendia bem o que ocorria, mas era assustador o retrato da fome ampliado na miséria absuluta. Lembro-me nitidamente que não existiam cestas básicas, frentes de trabalho...E como não existia TV, tampouco aparecia político algum. O que havia na verdade era um povo acuado, abandonado, entregue á propria sorte, passando fome, mas mantendo a fé, esperança e, sobretudo, a dignidade. Foi alí, naquele purgatório, mesmo numa "posição privilegiada", pois, sendo filho de militar não dependia exclusivamente da roça para sobreviver, que aos seis anos comecei a odiar e temer profundamente a miséria.
Já com quase cinquenta anos, presenciando inúmeras secas, até hoje escuto a mesma ladainha, a mesma conversa fiada, cascata, balelas sobre soluções mirabolantes para acabar com a seca. É muito fácil combater a seca via telefone com a bunda congelada no ar condicionado da repartição pública...
Quando resolvi escrever A vaquinha da primeira dama, minha preocupação primeira, não foi agradar a meia dúzia de intelectuais pedantes ou fazer política partidária barata. Na realidade é um grito contido há mais de 40 anos de quem estava de saco cheio de ver o conterrâneo vítima do infortúnio ser explorado via Embratel por políticotes em ano eleitoral.
Lí não sei onde a parábola de um beija-flor que lutava desesperadamente para apagar um incêndio na floresta, transportando no bico a água de uma poça encontrada nas proximidades. Quando alertado da ineficácia de todo seu esforço em apagar o fogo com uma irrisória quantidade de água aspergida, respondeu:
- Estou fazendo a minha parte.
Alguém pode se perguntar: Qual a eficácia de um livrete abordando tema repisado, de autor desluzido, desconhecido, para combater a seca? Repito o beija-flor: "Estou fazendo a minha parte". E se acontecer de um analfabeto político, somente um, influenciado pelo livrete que apresento, não vender mais o seu voto, me considero plenamente realizado, pois estarei contribuindo para a erradicação do URUBULÍTICO da seca. Estou fazendo a minha parte.

Continua...
Livro: A Vaquinha da Pimeira Dama
Págs 7/8
Editora CEPE (1998)


 
     
 


 
Benedito Morais de Carvalho (benê)
Enviado por Benedito Morais de Carvalho (benê) em 16/05/2018
Reeditado em 17/05/2018
Código do texto: T6338417
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Benedito Morais de Carvalho (benê)
São Paulo - São Paulo - Brasil
458 textos (4866 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/05/18 04:18)