Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FESTAS JUNINAS NA MINHA INFÂNCIA

Era junho, era frio, era noite era infância.
Era tempo de terços em louvor aos Santos e bailes para relaxar
Era Antônio, era João e era Pedro.

No alto daquela serra, no mês de junho era festa mês inteiro em quase todas as querências.
E em todas os terços que viravam festas, tinham o mesmo ritual.
Na chegada, todos os homens procuravam a fogueira
As mulheres iam para dentro da residência
E a criança começava a brincar
Os homens proseavam ora de frente, ora de costas para as labaredas da fogueira
O frio intenso e o sereno sem trégua ia fazendo a noite tornar-se mais divina
A meninada brincava de pique, de esconde-esconde e como era bom para se esconder
O quentão de pinga corria solto entre os homens ao redor da fogueira
O quentão de vinho fazia sua vez entre as mulheres dentro da casa
Num dado momento o dono da festa convidava todos os presentes para a reza do terço
Era o momento de fé
A bandeira do santo era toda enfeitada com flores de papel machê
O mastro era todo preparado para astear as bandeiras aos hinos e rezas.
E assim era feito
Em seguida chegava a hora esperada:
Broas de pau-a-pique, biscoitos, pés de moleque, pão caseiro, canjicas, um farturão
Nas chícaras os chás de cravo, de hortelã, de erva cidreira e canela
Os questões de vinho e de pinga eram oferecidos a todos os presentes, menos às crianças
Só agora, com a fé renovada, a barriga saciada e um pouco de zonzura na cabeça, começava o arrasta pé.
Sanfoneiro meia boca, viola desafinada, não importava, apenas o barulho era o suficiente para o bailão se aflorar.

Era junho, era frio, era noite, era infância.
Era tempo de terços em louvores aos Santos e bailes para relaxar
Era Antônio, era João e era Pedro.

É isso aí!

Acácio Nunes
Acácio Nunes
Enviado por Acácio Nunes em 13/06/2018
Reeditado em 14/06/2018
Código do texto: T6363395
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Acácio Nunes
Pouso Alegre - Minas Gerais - Brasil, 58 anos
439 textos (169967 leituras)
1 e-livros (19 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/18 03:11)
Acácio Nunes