Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A bala não chegou

Não sei o que me espera na próxima esquina. A bala que arma em mim disparou, não sei, o muro protetor barrou. A noite sem lua, escura como o fosso da caverna, caiu, e eu dormi aquecido sem coberta. O frio não penetrou minha pele. E veio o badalar do meio dia, sem prato de comida, a fome não me tocou, porém, é mentira que a fome não me tocou. Falo isso, para distrair, contrariar a fome. Quem sabe, assim, ela me esquece. Perambulei por avenidas e ruas desconhecidas. Me vi só. Algo ou alguém ao meu lado caminhava, tão calado e sorumbático, que a fome, que certamente me visitaria, quedou-se no instante mesmo que nossos passos se cruzaram. Assim,  tem sido minha vida. Minha existência. Minha existência não depende só de mim. Sou um, num infinito de seres que somados a mim, me fazem humano. Sou humano na máxima totalidade do que nem sei o isso significa. Sou, só disso tenho certeza, eu que não tenho certeza de nada. Enquanto alguém dorme sobre macia cama e lençóis de linho, outros muitos, tem o viaduto como teto e o chão como leito. O alvo e seta, disse o profeta, habitam-se em dependência mútua. Existo, só tenho essa certeza.
silvio lima
Enviado por silvio lima em 13/11/2018
Código do texto: T6502191
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (silviolima.recantodasletras). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
silvio lima
São Paulo - São Paulo - Brasil, 53 anos
1988 textos (32248 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/18 19:21)