Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESSA MULHER QUE EU PROCURO...

 

 

 

                                               Caberá definitivamente no turíbulo da minha incandescente vida e, na pulcritude de seu corpo indevassável, depositarei os meus últimos e inflexíveis sonhos.

Dela, eu farei prontamente uma divindade, um relicário místico.

E a entronizarei na minha real basílica de amor, onde em silêncio, juntaremos as nossas preces teimosas, que serão arremessadas ao imponderável norte.

Quero-a como a minha última e definitiva paixão, e que, em suas mãos traga apenas o necessário carinho de mulher madura e fagueira, como se fora o seu último e belo troféu a ser ofertado.

Pela reciprocidade de direito e de afeto a levarei suavemente em minhas mãos, como se fosse uma cesta de amoras silvestres, para depositá-la mansamente na minha floresta de anseios perpetuados.

De seus lábios eu quero de forma insistente o silêncio de beijos possessivos, para quando nossos hálitos se misturarem num ofegante frenesi de amor, nos prostrar vencidos ante a carne em frêmitos de prazeres.

Se for morena, terá que necessariamente ter os seus cabelos pretos, compridos e lisos, para nas horas incertas da vida, poder afagá-los com um desejado carinho se for preciso.

Mas se for loira, que não seja de farmácia, loira falsa, será obrigatoriamente loira nórdica, e que suas melenas resplandecentes tragam-me de pronto a lembrança de um furioso trigal maduro.

Uma ou outra, eu exijo que seja existencialmente mulher e possuidora da leveza da garça marinha, afável nos gestos, mansa como recém-nascida gatinha, para que eu possa aconchegá-la e murmurar-lhe entre um beijo e outro, palavras ternas de amor o verdadeiro idílio de todas as almas.

E que saiba sorrir despretensiosamente e preferencialmente para mim, a fim de vê-la feliz, e assim, inspirar-me em seus lábios e compor canções inefáveis como o último soluço de um amante.

E, de repente, fazer pousar em seus lábios lânguidos e úmidos o ósculo santo, o caminho voraz e inevitável da sedução final, mergulhados num êxtase de amor o mais prazeroso possível.

Procuro todos os dias o seu vestígio, ensimesmado caminho pelas ruas e não diviso as suas pegadas, assombra-me o fato de pensar que essa mulher inexiste.

No entanto ela perambula pelos meus sonhos, ora como fada, ora como um súcubo ardente e pecaminoso, enlouquecendo os meus indesejáveis pesadelos.

Se ela existe nos meus sonhos é porque dormita no meu inconsciente e, se ali está, é porque a apanhei na realidade dos meus dias.

Ordeno-a que saia da minha questionável inconsciência, onde se estabeleceu como trânsfuga mulher e desponte na realidade da minha vida, para assim fazer-me companhia e vivermos a mesmice do bem-querer.

Concluindo: Se tu estás nos meus sonhos, meu sonho és tu imaginária mulher!

Move-te languidamente em minha direção e te transforma num súcubo tentador, onde eu possa abismar os meus sonhos loucos e reais.

 

 

 

 

 

 

Eráclito Alírio da silveira
Enviado por Eráclito Alírio da silveira em 13/10/2007
Código do texto: T692436
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eráclito Alírio da silveira
Imaruí - Santa Catarina - Brasil, 75 anos
889 textos (143422 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 22:20)
Eráclito Alírio da silveira