Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amor... sempre

Não sei por que te vejo assim,
de repente uma resposta antiga,
palavra una, orvalho na seca,
presença na melancolia, certeza,
algum esteio num desabrigado coração,
a coberta para uma alma no relento...

E eu te vejo tão nitidamente,
de repente uma saudade antiga,
puro desejo de me tornar poesia,
eu que nem sei escrever sem descrever,
falo do teu sorriso e do teu olhar,
embora nem te olhe ainda...

Se componho um poema há uma forte razão:
tal revolta da alegria contra a melancolia...
De repente esse episódio em minha história,
esse tal amor, senão belo, sentimento descabido,
em proporções que nem mesmo escolhi,
entra e completa o frasco até que o entorna...

Posso ver além desse rosto de moço belo,
contrastes nas linhas despercebidas,
talvez desenhadas na minha textura mal vivida...
De repente tudo de novo, este meu coração malino,
prega-me peças e palpitações meninas!
Nalva
Enviado por Nalva em 25/10/2007
Código do texto: T709833

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nalva
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 50 anos
102 textos (15889 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 03:13)
Nalva