Coração Urbano

O coração em descompasso, a sambar dentro do peito, viu na manhã enferrujada um domingo sem defeito.

A poeira das ruas registrou trapaças e nas horas parvas se via perfume, pó e cachaça.

A tarde chegou cansada com numa arritmia frenética,

O alvoroço nas praças à atenção desperta

Um cheiro de festa, fumaça e contradição;

Na agonia do meio dia e na tristeza da noite para

Os que dali se vão.

Em cada parada indagação, exclamação ou

Um ponto de partida sem a devida compreensão.

Em um cruzamento de linhas algo foi deixado

pra trás, logo crudou no imaginário o abraço de tantos casais.

Nas ruas estreitas há momentos em que o coração para, e volta muito depois a bater com euforia.

Nas ruas largas..... ressaca.