Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BÊNÇÃO, PAI DE AMOR!

(Para a Débora Sophia Rubik Marchi)

Dentro de nós há sempre um personagem de várias faces, retrato de possibilidades várias para o enfrentamento do decorrer dos dias.

São poucos os viventes que se modelam criatura de Deus para se descobrir, para aumentar as chances de serem felizes e caminhar à margem dos conceitos usuais.

Descobrir o gosto do não feito, do não dito, do não ser usado, é, no mínimo, um desafio para a memória esfacelada. A intenção fratricida de estar fora do mundo é a negação dos valores que ornam a vida solidária.

Por vezes me parece que ser feliz é estar no outro, como Cristo andejou com o seu madeiro.

Feliz de quem assume a faceta das descobertas.

O beijo de Judas está sempre à espreita. Por vezes, a boca dos
homens carrega a palavra com a mesma dureza e peso do madeiro.

O estar no mundo é benesse que frutifica todos os dias. Andar e andar, curtir a submissão ao estado de graça da Poesia é estar rarefeito no lugar comum dos dias. Palavra sobre palavra, pedra sobre pedra.

É a alegoria de um cão lambendo roupas sujas de comida e se deliciando com a possibilidade de suprir a fome de sempre.

Desde que o mundo é mundo - como um relógio-ponto pra nos replicar aos desassossegos de cuca, de estômago e de intestinos - tudo tem entradas e saídas.

O bem-estar crístico tem o nome da paz dos desmemoriados, os que nem sabem por qual razão vivem.

A placenta em que nadam as palavras serve como quebra-cabeça ao Padre Nosso. E Ele, piedoso, nos apascenta na submissão dos puros.

Somos tão pequenos na face visível... As orações nos levam ao cadafalso da entrega. Morremos e renascemos em cada personagem. E o mundo reconstrói-se pelo mistério de nossas crenças.

Feliz de quem não tem a morte como final em si mesma. A solidão dos dias aconselha o cochicho com a divindade, mesmo que nos saibamos meras circunstâncias.

O amor geme a toda hora a sua beleza, entre a dor e a alegria. Ajoelhemo-nos! Não há nada mais supremo do que estar de joelhos frente ao dia seguinte.

Piedade é palavra viva para o casto exercício de dar e receber.

– Do livro EU MENINO GRANDE. Porto Alegre: Alcance, 2008, p. 293:4.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/742514
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 18/11/2007
Reeditado em 14/01/2014
Código do texto: T742514
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2915 textos (777675 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 03:37)
Joaquim Moncks