Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BORDEJO DA PALAVRA

Quando o desejo de ser e estar é fundo, cria-se a materialização do amar no que estiver ao alcance da cuca, dos olhos, dos ouvidos, nem sempre ao alcance da mão, tão usada pra tudo o que é comum, usual, utilitário.

De uma cativante expressão lírica, voz inquieta, insegura, os versos são tipicamente frutos do momento da inspiração: esta surpresa que não se sabe de onde vem e que é o primeiro instante da criação literária.

Neste momento, tudo é impalpável. Caminha-se na senda da imaterialidade. Voeja-se no sonho, porque no cerne do poema é que somos materialidade.

Ali a criatura humana reconstrói a vida. Mitiga suas circunstâncias. E se faz verdade profunda no mergulho inusitado, intempestivo, no bordejar da palavra batida pelos ventos. Depois, como tudo que não é tangível, é o Nada.

Bem, mas este Nada pode ter nome, rosto, braços, pernas, e vir a ser o cajado que suporta o dia seguinte. Pode até se chamar Esperança!

— Abre-te, Sésamo, à vida em que te escondes!

– Do livro EU MENINO GRANDE, 2006 / 2008.
http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/764602
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 04/12/2007
Reeditado em 21/09/2008
Código do texto: T764602
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2911 textos (776628 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 00:02)
Joaquim Moncks