Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TUDO TÃO DE REPENTE...

Ainda ontem, nessa igual(?) hora
O meu mundo ainda era uma aurora!
Não havia a rasteira do tempo,
Eufemismo!- tudo falso alento!
Era a vida que então se abria,
Planejando as minhas feridas!
Eu não tinha  este nó na garganta,
E tampouco a quebrantada esperança...
Palavras eram então aprendidas,
Soletradas ao pé da cartilha
De repente, letras foram laçadas
Pois mais tarde seriam fonadas...
Alicerce de vários poemas,
Liberdade para qualquer algema!
Hoje escrevo para a minha criança,
A abraçar a ingênua infância...
Que agoniza dentro do meu peito,
Nas canções dum mundo rarefeito...
Amealho emoções que outrora
Pulsam fortes na minha memória!
E acreditem ...ao escrever às crianças,
Nosso peito entra na sua dança!
Com as letras que seguem na vida,
Então faço um laço de fitas...
Eu me enlaço mesmo nesse "presente",
E me dôo à toda essa gente!
Ainda ontem...tudo tão de repente...



MAVI
Enviado por MAVI em 05/12/2007
Reeditado em 05/12/2007
Código do texto: T765491

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Áudio
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MAVI
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
5465 textos (342870 leituras)
994 áudios (87130 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 10:06)
MAVI