Canção da minha Alma

Minha alma está crua,

Minha alma está nua

Sedenta da embriaguez da rua.

Ah! minha alma queres festa,

Uma bela seresta,

Um violão baixinho cobrindo a pauta.

Minha alma tilinta de desejo quando te vê,

Quando te abraça e sabe um pouco de você.

Ela deseja a canção dos teus lábios,

A canção de Elis tonta de emoção,

A Embriagar os bêbados febris.

A minha alma está ardendo de paixão

E o apito do navio correu solto aos meus ouvidos,

Lembras das noites em Veneza?

Dançamos na rua e os nossos olhos, quatro holofotes,

Clarearam a noite a competir com a Lua.

Minha alma quer a magia da música que te entorpece,

O ritmo que te enlouquece e que segue dedilhando os sentidos.

Quer a minha alma a multidão como testemunha,

Teu coração acompanhando o tom do ritmo frenético do meu.