Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUADRAS PERNICIOSAS

                          SE FOSSE OUTRO ME TERIA SUICIDADO,
                           PORQUE ISTO ASSIM NÃO É VIVER....
                          MESMO QUE NÃO ESTEJA MENTALIZADO,
                          ISTO A MIM SÓ ME FAZ MESMO SOFRER.

                         TENHO MESMO A MINHA VIDA LIMITADA,
                         JÁ NÃO SEI MESMO O QUE HEI-DE FAZER,
                         ÁS VEZES VIVO MESMO PELA CALADA,
                         PORQUE MESMO A SÉRIO ME ABORRECER.

                        OS MEUS PAIS DEVIAM TER CUIDADO,
                        EM ME DAREM Á LUZ DESTA FORMA ASSIM,
                        NÃO GOSTO NADA MESMO DESTE FADO
                         VALE MAIS MORRER DO QUE ENFIM.

                       ENFRENTAR ESTA MINHA VIDA É COMPLICADO,
                        NÃO MERECIA NADA VIVER COMO VIVO ASSIM,
                       PODEM VER, QUE NÃO ESTOU REVOLTADO,
                       MAS TENHO MUITO DESGOSTO ISSO SIM.

                     CHAMAM-,ME POETA DE VERDADE,
                     POR ISSO É UMA GRANDE IRONIA,
                      DESTA VIDA NÃO TENHO VAIDADE,
                      DE ESCREVER A MINHA POESIA.

                    A MINHA POESIA É UMA FORMA,
                    DE ME REVOLTAR E DE ME AFIRMAR.
                    QUE NÃO PRECISO DESTA REFORMA,
                   OU MELHOR, É MELHOR NÃO PENSAR.

                 QUE SOU MESMO UM HOMEM E HUMANO,
                 QUE TENHO OS MEUS DIREITOS Á VIDA,
                 E QUE HÁ  MESMO MUITO FULANO,
                  QUE SOFRE ESTA VIDA DE SEGUIDA.

                    SE EU MESMO TIVER QUE MORRER,
                    QUE MORRA EM PAZ E EM SOSSEGO,
                   NÃO QUERO MESMO MAIS SOFRER,
                   NESTAS BANDAS DA CIDADE DE LAMEGO.

                    SE EU PUIDESSE MESMO ABDICAR,
                    DESTA PORCARIA QUE TENHO,
                    DARIA MUITO MESMO QUE FALAR,
                    DONDE EU MESMO ME PROVENHO.

                  TIVE AZAR EM TER MESMO NASCIDO,
                 DENTRO DA BARRIGA DA MINHA MÃE,
                 PRA VIVER NESTE MUNDO PERDIDO,
                E QUE NÃO SOU MESMO NINGUÉM.

                VIVER DESTA GRANDE PORCARIA,
                QUE ME LIMITA A MINHA VIDA,
                NÃO POSSO TER A MINHA ALEGRIA,
               DE VIVER, SEM TER UMA SAÍDA.

                   QUINHENTOS EUROS, NÃO SÃO NADA,
                    É UMA ESMOLA DO ESTADO VERDADEIRA,
                   EU PRECISO MESMO DUMA ENXADA,
                   E DE VIVER COM A MINHA COMPANHEIRA.

                     SER POETA COMO EU SOU É TRISTEZA,
                      VIVER DUMA PENSÃO É MISÉRIA,
                      TENHO NESTA VIDA A VIDA PRESA,
                      MAS ESTA VIDA É MESMO MUITO SÉRIA.

                                      LUÍS COSTA
                         QUARTA-FEIRA, 17/07/2019
 
TÓLU
Enviado por TÓLU em 18/07/2019
Reeditado em 18/07/2019
Código do texto: T6698573
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
TÓLU
Portugal, 68 anos
1265 textos (36656 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 04:41)
TÓLU