Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Oportunidade de ser feliz

               Eis que num vilarejo esquecido por muitos, aliás como esquecer se nem sabem que existe, de tão longe que era, onde ninguem passa, não porque é dificil o acesso,mas porque num aparece no mapa, onde só passa pessoas que saira de sua rota, e perdidos, aparecem em busca de gasolina, mecânicos, água...sim existia moradores, muito poucos um a cada 10 kilometros, num dia muito fora do comum, um vendedor de computadores, perdido no mapa, vê uma oportunidade de venda.
              -Vou bater nessa casa, quem mora ai vai me agradecer, aqui nem se existe comunicação, tai uma venda ''certa''.
A senhora moradora muito humilde, semi analfabeta, sorriso nos lábios, bem devagarinho desce de sua rede que balançava calmamente, e passos vagarosos chega na fresta olha e percebe que realmente tem alguem batendo palmas.
              -Nossa quem será? Deve ser mais um que perdeu sua rota, e quer perguntar como chegar na rodovia principal, ai, ai esses camaradas fugindo dos pedágios, o último que fez isso, demorou tres dias para retornar até a estrada.-já vai...Gritou bem alto pra chegar aos ouvidos do homem lá na porteira
Eles vendedor profissional, já a uns 35 anos, mui sorridente, claro para satisfazer a proxima cliente diz:
              -Boa tarde minha senhora, e que tarde maravilhosa sol a pino, brilha como o seu lindo olhar.E limpando o suor do rosto, começa um clima de vendas.
A senhora estranhou, mesmo assim disse
              -Brigado moço, entra tem um suco de limão rosa que fiz agorim mesmo, tá fresquim, colhi o limão bem cedin era 4 e meia acho bem antes do galo godofredo cantar.
Ele paletó de luxo, pensou, o que estou fazendo aqui, mas objetivo de vender o aparelho fala:
              -Grato por sua atenção, mas não posso perder tempo.
              Ela sem entender nada passou a escutar o moço:
              -Aqui sua oportunidade de adquirir o mais moderno produto, com mais alta tecnologia, tamanho adequado para qualquer ambiente, pois tem o designer que se ajusta a quartos pequenos...
             Dai a senhora interrompe o homem:
             -Não aqui os quarto é grande moço, todos os 11 quarto, eles são maió que é pra se espriguiça num sabe.
             Ele dá uma risadinha meio que sem graça e volta a buscar seu objetivo, a venda.
            -Como eu dizia- é  moderno acabamento de primeiro mundo, trabalhado cada detalhe por um especialista em Paris, famoso por deixar sua arte moderna gravada em pequeníssimos detalhes quase imperceptíveis.
             A senhora entendeu bolhufas, sorriu, aquele sorriso caipira, mas sincero, e disse:
             -ome ocê proseia muito então, bora vem cá na cozinha tem um bolin de mio, colhi hoje memo, e é feito com os ovos da gertudes, minha galinha predileta nunca faia, o leitin que botei nele é da genoveva, que ja ta na famia a mais de 20 anos, é um bolin fresquin, vem cá, proseiá...
              Ele já quase perdendo a paciencia, pois tem uma meta, o seu centésimo produto vendido na semana lhe valerá um premio muito convidativo, uma viagem ida e volta para o Japão onde verá pessoalmente a tecnologia avançada. Já pensou quando voltar da viagem ai terá mais argumentos sobre tecnilogia de ponta, dai mais vendas, mais lucros...Bom ele responde tentando ser gentil:
             -Agradeço moça mais não posso perder tempo.
             Ela vê o esforço que ele fez pra dizer não dai toda simpática fala para o esforçado vendedor:
             -Sei de sua pressa moço, então que umas frutinha vai lá no fundo do quintar, tem goiaba, manga, abacate, mamão, tem ...
             Ai ele interrompe bruscamente a senhora, já que cada palavra dela é entonada bem devagar, calmaente, fazendo ele ja perder 1 hs, observou ele em seu relógio de ouro.
            -Senhora não quero ser ou aparentar grosseiro, mas não quero suas frutas, não posso perder tempo, lterou sua voz.E como lhe dizia sobre o computador, ele é ...
             Ela mais que depressa se enfezou, colocou as mãos na boca, assobiou para o Zeca, seu cachorro amigão que já veio rosnando pro tal vendedor que até então só desprezava seu modo gentil de oferecer solidariedade tirando-o do sol, para alimentá-lo e quem sabe por ser uma amiga futura.ela com os zóio bem bravo diz:
             -Meu caro ôme que vende num sei o quÊ, nem sei praquê, e nem sei quero sabê, memo que eu TIVESSE ENERGIA ELÈTRICA NUM QUERIA ESSE TROÇO AI, o senhô trate de sumi daqui, pois te ofereci minha amizade por esse tempo ai que oiô no seu relógio e o senhô nem prosiô, nem comeu meu bolin, nem minhas manga, nem as goiaba, e desprezô sentá na minha cadeira lá na minha cozinha. Sei lá proquê, mas eu sei pruquê agora vô mandá ôce pra os cafundó...o sinhô disprezou a oportunidade de eu sê feliz e o senhor nem é feliz tambem intão some,num posso perdê meu tempo...Vou vortá pra minha rede...
   
Ele aprendeu com a lição..

.carpe diem...aproveite o dia...

E você leitor tambem CARPE DIEM procê...

CIDA MOURA
Enviado por CIDA MOURA em 11/04/2010
Reeditado em 14/04/2010
Código do texto: T2189865
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
CIDA MOURA
São Paulo - São Paulo - Brasil
2394 textos (133467 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/01/20 13:34)
CIDA MOURA