Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma difícil decisão – Um novo começo (Capitulo IX)

                 Após a comoção, o enterro, era chegado o momento de legalizar as coisas, para preservar a família e a própria memória da falecida, o juiz foi aconselhado por um amigo para reconhecer a paternidade da menina Angel numa adoção legal.
                Angel concordou com a proposta, mas exigiu que Carla também concordasse e que eles permitissem a ela continuar com o projeto de ajuda para as crianças: o reforço escolar.
                Carla não se opôs, pois para toda a sociedade ela continuava sendo a filha legítima e Angel a adotiva.
                Angel era diferente e não dava muito valor ao dinheiro e as posses, dizia que tudo deveria servir a Deus, no atendimento aos nossos irmãos.
                Angel conquistava prêmios em humanidade e era reconhecida por sua generosidade, Carla era a filha que administrava os bens que fazia as fazendas e outras posses da família progredirem.
                Angel doava muito de si mesma, de seu tempo, de suas horas de lazer, ela tinha ideias e fazia as coisas acontecerem.
                Nunca invejou a posição da irmã. Era simples e sincera, não tinha medo das pessoas, nem das coisas, dizia sempre que estava de passagem.
                Carla foi passar um fim de semana em companhia da irmã e quando brigou com um homem este puxou uma arma e Angel quando viu pulou na frente levando dois tiros. Ao cair no chão sendo abraçada pela irmã, sorriu e disse:
                _ Salvei sua vida de novo! Faça valer a pena.
                A partir daquele dia muitas coisas mudaram na vida de Carla, do juiz e de Ana Lucia, aquela luzinha havia se apagado para este mundo e se tornou luminosa no outro.
                Para muitos isso era uma injustiça, mas a Justiça Divina jamais falha ou erra o alvo, aquela que hoje ficava para receber os afagos dos pais, a fortuna adquirida, que era a herdeira natural por todas as circunstâncias da vida, era a legítima herdeira perante as leis divinas.
                 Num passado distante a irmã movida pelo ciúme fez um acordo com a sogra de sua irmã pelos laços da consanguinidade. A sogra envenenou e a irmã herdou os bens, o desgosto matou os pais, a sogra enlouqueceu diante do sofrimento do filho, mas a noite do tumulo alcançou a todos.
                 Angel era a irmã que tramou; a sogra era Júlia; os pais eram Ana Lucia e Carlos; Carla era a filha assassinada pelo próprio sangue; o amor é o tio que encontrou no amor parental a sublimidade, que deve existir nas relações.
                Todos unidos em solidário encontro de reajuste e benção.
 
Ninguém fere a lei divina
Onde julga haver injustiça
Há reparação e misericórdia
Onde julga haver dor
Há na verdade sublime oportunidade
Na vida material há um verbo a ser conjugado
Amar, amar e amar...
Para todo o sempre!
_____________________________________________________
                No gesto sublime de Angel ela conquistou em definitivo a redenção de seus crimes, Júlia que suportou a ausência, a ofensa, a miséria e a dor, reparou assim muito de seus erros passados.
                A lei Divina nunca falha ou erra, mas nós humanos somos convidados diariamente pela mesma lei ao exercício sublime da fraternidade, da solidariedade e do amor, pois é dever de todos nós amenizarmos as dores de nossos irmãos.
Luciana Monteiro
Enviado por Luciana Monteiro em 29/04/2018
Código do texto: T6322107
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luciana Monteiro
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil, 45 anos
1849 textos (94331 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/18 06:21)
Luciana Monteiro