Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Parado! Isso não é um assalto.

          As raízes coloniais no Brasil deixaram marcas de crueldade que atravessaram séculos e que ainda hoje marginalizam o negro, que é muitas vezes hostilizado como alguém com potencial de criminalidade.
           Uma denúncia poetizada dessa conduta atroz pode ser evidenciada na canção "As Caravanas" do compositor Chico Buarque de Hollanda, em que a população marginalizada do Rio de Janeiro - com supremacia negra - é hostilizada duramente, com injúrias que fazem alusão à característica criminosa, como se estes  fossem bandidos e necessitassem de cuidados policiais, por incomodarem os cidadãos de "bem" - brancos, em sua maioria -, de terem um final de semana aconchegante na praia.
            Um marco social que ressalta a indiferença com a situação do negro na sociedade brasileira é a supressão de sua voz, no que diz respeito às cotas raciais. O argumento retórico para a tentativa de invalidação desse direito é a questão de ser depreciativo, algo que seria pejorativo às suas condições intelectivas. Obviamente, é puro silogismo. Pois é evidente que a justificativa disso refere-se à questões históricas, quando este acabou sendo marginalizado após o 13 de maio de 1888, e foi substituído pela mão de obra europeia, com premissas ilógicas de "embranquecimento" da população, a partir daí, argumentos filosóficos não podem ser centrais para uma dívida histórica.
           Infere-se, desse modo, que a condição do negro no Brasil é aleatória, com preconceito racial personificado, que agride sua integridade como indivíduo desde o colonialismo; atualmente, essa injúria se transfigurou em algo velado, em que a questão racial é relativizada e a vítima acaba sendo culpada pela dívida social que se construiu na base da escravidão. É relevante corroborar o dever do Estado em garantir a equidade entre os cidadãos, independente de sua etnia, o que enfatiza a penúria pela qual essa parcela vive para ter sua luta reconhecida pela supremacia brasileira; a instituição máxima deve ser mais incisiva nessa questão, nem que tenha que se valer da incursão dos setores que garantam a aplicação de leis que salveguardem os direitos dessa parcela. Ao Ministério da Educação, cabe a elaboração de campanhas de conscientização da população sobre a luta do negro e da importância de sua inserção em todos os setores da educação e da sociedade. Com isso, a curto prazo espera-se que essa parte social tenha mais acesso educacional, e a longo prazo, estima-se a redução do preconceito racial e, por conseguinte, que a parte acometida usufrute dos seus direitos cívicos como parte integrante e atuante nos diversos setores da vida.
Alexandre Alves Porfirio Vieira
Enviado por Alexandre Alves Porfirio Vieira em 15/05/2018
Código do texto: T6337027
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Alves Porfirio Vieira
Santo André - São Paulo - Brasil, 26 anos
35 textos (908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/18 00:26)
Alexandre Alves Porfirio Vieira