Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Divina viagem



Sou um purista a respeito da arquitetura naval. Provavelmente não um purista, mas um nostálgico. Penso em velames, cabos, amarras, bombordo, boreste, proa, popa. Mares bravios, ventos uivantes (obrigado Emily Brönte) e clássicos capitães em túnicas azul marinho double-chested.

Embarquei em Santos em um desses esplendorosos resortes flutuantes. Descrever o luxo será irrelevante. Todos já têm uma idéia de tantos filmes sobre o tema. Acreditem, é assim mesmo.
O tratamento dispensado pelos tripulantes aos passageiros beira a algo como ser o morador do Buckingham Palace.

Entretenimento e refeições (algumas sofisticadas) a todo momento. Tudo de primeira. Mesmo os entretenimentos.
Réplicas similares dos espetáculos do Cirque du Soleil, musicais roliudianos (sic!), até mesmo a Traviata em toda sua glória verdiana. Figurinos ricos e de muito bom gosto.
A decoração do anfiteatro nada tinha de um Metropolitan, mas tão atrevida com o Guggenheim de Bilbao com suas poltronas parecendo um campo de tulipas.

Meu grupo de amigos, ficaram conhecidos dos garçons e garçonetes de variadas nacionalidades e gentileza igual. Éramos conhecidos em todos  diversos night-clubes e bares que floresciam a cada "esquina".

As ditas noites de gala, foram quatro,  ocasiões em que os passageiros entravamem na teatral fantasia de requinte e luxo. Era inebriante ver as mulheres do nosso grupo refinadamente elegantes.

Aqui, gostaria de comentar o quanto o homo-brasilis é mal vestido.
Notei que a maioria masculina brasileira nessas noites de gala se vestiam elegantemente com os mesmos ternos que vão trabalhar. Já os estrangeiros tinham uma roupa mais adequada a um cruzeiro pelo Caribe. Neste quesito, nossas mulheres deram um show de beleza e graciosidade.

Nós, marmanjos, apreciávamos ficar na sombra, observando nossas mulheres (e outras) na extensa piscina infinita na popa, bebericando nossos daiquiris e uma seleção de mais de trinta tipos de cervejas. Experimente uma Blue Moon (belga) que vem servida com uma fatia de laranja como manda o figurino. Tal como a Corona com o limão.

Este que lhes relata e outro amigo fazíamos visitas ao cassino quase todas as noites. Saldo positivo de duzentos e trinta cinco dolares fora os dez que deixei com a bela croupier filipina.

Vinhos finos a preço razoáveis. Posso afirmar que mais baratos e com a qualidade igual ou melhor dos servidos em nossos restaurantes dessa terra-brasilis.
Sou um fã de conhaques. Não vou aqui me alongar sobre a degustação deles. Variei de regiões bebendo-os a dose por oito dolares. Costumava também variar de marcas de uisque também pelo mesmo preço. Inclusive o Laphroaig. Se, meu caro leitor/a for um apreciador, sabe do que estou falando.

Seis dias depois chegamos a primeira ilha do Caribe. É aquilo mesmo que todos já conhecem ou viram em filmes e revistas. Praias de areias alvíssimas e água azul clara.
Mas, parece que estando numa, as outras se repetem.
No Caribe a escolha é ficar nos resortes ou ficar nos resortes. Tente andar pelas redondezas a um sol de trinta Celsius e encontrar um bar.

Mesmo assim, viveria o resto de meus dias nas Ilhas Cayman.
O Caribe me pareceu como aqueles eruditos cheios da beleza do conhecimento, mas que nada criam e com o passar do tempo viram ruinas.
Não existe poesia na mesmice da beleza geografica. Foi assim minha impressão da Jamaica.


Enfim, chegamos em Miami e amigos nos levaram a residencia deles em Fort Lauderdale.
Parecia que de lá, passando por Miami e Key West, até a primeira ilha do Caribe que aportamos, estávamos pisando na mesma areia branca e mergulhando em águas azuis cristalinas.
E com bares florescendo a cada esquina, ao menos.

Bom, isso é outro capítulo.
Raffert
Enviado por Raffert em 08/02/2019
Código do texto: T6570422
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Raffert
Portugal, 60 anos
93 textos (6176 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/07/19 16:06)
Raffert