Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

«Fight Club» de David Fincher, ou Dr. Jekyll and Mr. Jackass

Para além de uma sátira de humor negro e viscoso contra o consumismo, o poder das grandes corporações e as marcas como estilo de vida, Fight Club, que David Fincher realizou a partir do livro de Chuck Palahniuk, é também um filme sobre a dupla personalidade do ser humano numa época em que os comportamentos e as acções são padronizados pela moda. «Tudo é uma cópia de uma cópia de uma cópia», diz a personagem de Edward Norton. A publicidade compra e cataloga a condição humana. Cada ser é aquilo que possui e não aquilo que faz.

A figura de Norton, herdeira das personagens Kafkianas e do Bartleby de Herman Melville, é um yuppie frustrado e sem nome – ao longo do filme nenhuma personagem o trata pelo seu nome próprio e ele só se refere a si mesmo, em voz off, como «sou o suor frio de Jack» ou «sou o coração partido de Jack», numa alusão a um artigo que lê numa revista. É uma espécie de Zelig (o “homem-camaleão” do filme com o mesmo título de Woody Allen), que tenta esconder, por baixo de uma multiplicidade de bens e interesses, a total ausência de individualidade. Nos vários grupos de marginalizados e doentes terminais que frequenta, adopta sempre nomes diferentes (Cornelius, Travis, Rupert).

O momento de mudança na sua vida é quando conhece Tylor Durden (Brad Pitt) durante uma viagem de avião. Este já havia aparecido anteriormente em planos muito curtos que funcionavam como incursões subliminares de uma presença inconsciente. O facto de carregarem malas iguais é logo indicador de que, involuntariamente ou não, elas acabarão por ser trocadas. O mesmo se passará com as suas vidas. Porém, Norton só se torna próximo de Pitt depois da explosão do seu apartamento e de perder todos os bens materiais que até então haviam moldado a sua personalidade. «Só estamos livres depois de perdermos tudo», diz Brad Pitt – e é essa a ideologia que Edward Norton também acabará por seguir.

O clube de combate que os dois formam é um espaço onde os «filhos indesejados de Deus» podem libertar a sua revolta interior. E elaborar um projecto para devolver o homem à sua condição de igualdade e liberdade primitivas. A voz off de Norton, serena e irónica, contrasta com o nervosismo suado e agressivo da montagem. E da própria banda sonora. Muitos acusaram o filme de ser fascista. Compreende-se. Principalmente por causa dos comentários de Brad Pitt, sugerindo que se o homem foi criado à imagem e semelhança divina, então também ele é um Deus. E é verdade que Fight Club parece ter o final comprometido com a típica mensagem catastrofista de que, apesar da evolução das sociedades destruir a liberdade humana, também não vale a pena tentar mudar a ordem natural das coisas, porque qualquer alternativa será sempre para pior.

No entanto, a ideia de querer diminuir o filme a uma provocação bombástica pode ser precipitada. É que, à semelhança do livro The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde de Robert Louis Stevenson, o filme reflecte sobre a dualidade entre o animal social e o animal à solta. Tal como Dr. Jekyll, Edward Norton tem uma vida solitária, marcada pela insatisfação e pelo desejo de conhecer o lado mais obscuro da natureza humana, por mais autodestrutiva que essa descoberta se possa revelar. E tal como Mr. Hyde, Brad Pitt representa a libertação de uma energia e violência contidas no interior da personagem «real».

«O homem não é verdadeiramente um só ser, mas dois», lê-se no livro de Stevenson. Nem Dr. Jekyll nem Edward Norton se mostram dispostos a dominar a personalidade que criam. Porquê? Porque se sentem rejuvenescidos e livres quando se metamorfoseiam. Como as suas duplas personalidades não existem na realidade, todos os seus actos ficam impunes. O que não deixa de ser curioso é que, tanto no livro como no filme, o conceito de liberdade esteja associado ao mal. É verdade que Norton só no fim toma consciência da sua dupla personalidade, mas esta faceta há muito que tinha sido sugerida: tanto nos comentários de Norton, dizendo que muitas vezes sentia Pitt a controlar a sua voz e os seus movimentos, como nos diálogos com Helena Bonham Carter (esta chega mesmo a dizer-lhe «pareces o Dr. Jekyll e o Mr. Jackass [idiota]»), ou na sequência em que Norton se agride a si mesmo em frente do patrão. Esta última ocorre logo depois de Norton ver Pitt deixar-se espancar pelo proprietário do bar onde têm lugar as sessões do clube de combate.

Se há algo latente, tanto no livro de Stevenson como no filme de Fincher, é a atracção pelo abismo e o prenúncio de queda. No fim, é só através do suicídio que o bem consegue destruir o mal. Talvez fosse mais coerente que Norton morresse depois da destruição de Pitt, mas o realizador quis provocar e decidiu colocar no clímax final a possibilidade de um casal (Norton e Helena Bohnam Carter) se poder formar enquanto assiste, de mãos dadas, ao apocalipse.

Helena Bonham Carter é a única personagem feminina num filme que também foi acusado de misógino. A certa altura, a função dela parece ser só a de impedir que os dois protagonistas se envolvam numa relação ainda mais íntima, o que poderia desacreditar a sua actuação no clube de combate. Porém, ela nunca deixa de ser importante. No fundo, representa o único contacto físico que a personagem principal tem com uma figura feminina. Nas várias conversas entre Brad Pitt e Edward Norton sobre Helena Bonham Carter (e estes três não partilham uma única cena em conjunto), o segundo nega sempre qualquer interesse sexual por ela, mas a verdade é que o envolvimento entre Carter e Pitt só começa depois de Norton ter um sonho erótico com ela.

Tanto Brad Pitt como Mr. Hyde – o nome é uma referência óbvia ao verbo «to hide» (esconder) – são figuras que despertam temor e fascínio nas outras personagens. Só assim se compreende que, no livro todas elas fiquem paralisadas defronte de Hyde, e que no filme se diga «nós acreditamos em Tyler [Brad Pitt]». A influência que estas duas figuras «irreais» exercem sobre o quotidiano em que estão inseridas é claramente superior à dos seus «criadores». Daí a interrogação de Norton acerca do seu duplo (interrogação essa que também poderia ser feita pelo próprio Dr. Jekyll em relação a Mr. Hyde): «Tyler é o meu pesadelo – ou serei eu o dele?»
Luís António Coelho
Enviado por Luís António Coelho em 30/11/2017
Código do texto: T6186602
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luís António Coelho). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís António Coelho
Loures - Lisboa - Portugal, 39 anos
10 textos (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 06:50)