Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Harmonia ao quadrado

A Editora Estúdio Armon não cansa de me surpreender. São diversos títulos de mangás seriados ou solo que, acabam nos divertindo e nos levando a outros mundos possíveis. Sejam fantásticos ou realistas, esses mundos são a manifestação de que possuímos criadores talentosos em nosso meio, ansiosos por uma oportunidade de mostrar o seu talento enquanto desenhistas e roteiristas.
A coletânea HarmoniHQ apresenta um interessante conceito: um quebra-cabeça em mangá. Assim como um quebra-cabeça, diferentes peças conectadas formam a imagem de um todo, maior e mais bem elaborada. O argumento inicial surgiu da quadrinistas e designer Cristiane Armezina, e acabou gerando uma das melhores obras dos criadores do estúdio. Tanto é que foi indicado a uma das categorias do Troféu HQ Mix.
A obra foi recorde em financiamento coletivo do estúdio no Catarse. A tiragem inicial foi de 1000 exemplares, maior até que muitas editoras tradicionais. A identidade visual ficou a cargo da Cristiane Armezina, com capa representando todos os protagonistas dos one-shots feitas pelo Giovanni Kawano. A capa e contracapa possuem detalhes em brilho e alto-relevo, um projeto gráfico muito bom da Gráfica Monalisa. São mais de 300 págs.
O tomo possui orelhas, dois prefácios escritos por Kaji Pato (Quack, Editora Draco) e Max Andrade (Tools Chalenge, Editora Draco), além de diversos extras. A obra reúne 9 one-shots e 12 artistas. A partir daqui eu traço minha experiência de leitura, que de nenhuma forma se propõe a ser a palavra final. E recomendo a aquisição da obra para uma completa visualização de suas potencialidades. Como se trata de uma obra com menos de dez títulos, farei análise uma por uma, iniciando da que mais gostei, colimando até a que menos gostei.
BRAkuman é escrita por Fábio Gesse e ilustrado por Raphael Munhoz. À primeira vista parece uma paródia de Bakuman, mas isso se torna ledo engano na primeira virada de página. Seguimos a jornada do Jotacê, um jovem adulto tentando descolar uma grana enquanto continua a produzir seu mangá Pure Armors na internet. Mostra de maneira crua, porém, divertida, a expectativa e desafios da produção de quadrinhos independentes dos brasileiros. O Fábio incluiu vários elementos que deixou a coisa bem verossimilhante, até o Joey do canal MangáTube!, apareceu aqui, mas sem cuspir nos mangás alheios. O Munhoz teve algumas sacadas metanarrativas, como incluir a criação de quadrinhos em recurso da diagramação, além de fazer quadros em 3D — quando os objetos do quadro interagem com outros quadros, é como se o personagem saltasse da página para fora dela.
Epístola é one-shot escrito pelo Gabriel Nunes e ilustrador pelo jovem experiente Gabriel Silva. Esse último foi o artista que mais evoluiu no Estúdio Armon para mim. Se destacou após desenhar o seinen Máscaras da humanidade, obra com ótimo potencial mas que acabou se tornando um fiasco devido a inconstância do roteiro — era um thriller psicológico, virou uma ação sobrenatural, por fim, se tornou um thriller psicológico de novo. Depois dessa pequena gafe em forma de mangá, ele se recupera mostrando a maturidade do seu traço num roteiro sombrio e angustiante. Os Gabriel, ou melhor, Gabriel2 traz a história do jovem executivo Renato que está sofrendo assédio (ou stalker, se você prefere o estrangeirismo). Particularmente, eu quero ver mais dessa dupla. Estão bem entrosados, e são jovens.
Lucky Guy é uma obra do Giovanni Kawano, e o cara é muito bom em criar obras que dramatizam o nosso cotidiano com perfeição. Lucas é um jovem de beleza adônica, mas sofre com a timidez, e não sabe se expressar muito bem. Resultado: muitas trapalhadas! Kawano tem um traço muito simpático. Os roteiros são leves e bem-humorados, o que nos leva a questionar se aquilo não já acontece conosco ou com nossos amigos.
Inclinação para o mal¬ foi desenvolvido pelo Erix Oliver. Nesse one-shot, a protagonista Leslie Lockendoor, conceituada romancista, se envolve num caso de assassinato na inauguração do Hotel Zorn. O mistério e sua resolução foi muito criativa, digna dos clássicos das histórias de detetive que rende homenagem. Porém, acho que o autor deveria ter criado uma situação para gerar mais dúvidas no leitor, e o momento ideal era a reunião na sala de recepção, fora isso, tudo está muito coeso. Outra coisa que me chamou atenção, a obra se passa no Brasil, mas porque trazer tantos elementos europeizados? Não é possível criar uma atmosfera para histórias de suspense policial se não remetermos ao estrangeiro? Os desenhos são geometrizados, remetendo aos shoujos, só que com traçado mais obscuro. A Leslie é bem gótica para mim, eu gosto desse visual.
Jayson Santos nos traz seu one-shot Sociedade Zumbi. História anteriormente ganhadora de um concurso de quadrinhos, mostrou mais uma vez o talentoso traço do mesmo autor de Hooligan e Makai Mail (Conrad). A trama gira em torno do Gary, um zumbi que encontra uma humana ainda viva, a Seis. É uma história que traz uma mensagem fatalista, determinista e conformista. É uma tragédia em redenção nem catarse.
CNC é uma obra do Waldenis Lopes, autor de Utopian. Outra história de detetive, mas com um teor mais mórbido, afinal, é um gag mangá sobre um crime. Entretanto, acho que esse one-shot tem alguns erros no roteiro. Por exemplo, porque que uma testemunha se trancou num cômodo no local do crime se ele poderia fugir? Porque não chamou a polícia? Inspetora de qualidade trabalha em que órgão regulador do governo? O crime e suas motivações tem sua lógica, mas a cadeia de eventos não o foi nada factível. O desenho em lembrou muito Luluzinha Teen, mais cartunesco, com contornos grossos com uso e abuso de retículas e texturas. O elemento yaoi passou em branco aqui, foi mais alívio cômico do que retratação de personagens LGBT+ na obra.
Dreams é da mangaká Pammella Marins. A autora tem um dos melhores traços josei do nosso país. Apesar da beleza dos desenhos, a obra ficou aquém. O one-shot trata de um relacionamento lésbico entre uma jovem desenhistas e uma mãe solteira. Isso por si só já dava para explorar muitas coisas em um one-shot, mas a autora não soube aproveitar em nada a temática. Ela incluiu diversos recursos narrativos como flashback e saltos temporais (ou time skip, se preferir) que comprimiram a história, e a cada compressão, perdíamos um dos elementos de nosso interesse. Por exemplo: a protagonista, a Alexandria, é uma jovem desenhista, mas após passagem de tempo, qual a relevância disso para ela? Como um relacionamento com uma mulher mais velha e com uma filha poderia impactar numa relação? Como a projeção da imagem da mulher amada na afilhada da companheira de Alexandria iria provocar problemas na relação das duas? Porque incluiu um tema fantástico que não foi desenvolvido e nem teve relação com a trama? Para um spin-off de Anjo da guarda, a obra não funciona só, e nem complementa a trama original.
Penúria prometia uma obra sarcástica e com um teor crítico, que suscitaria discussões, mas acabou fazendo o contrário. A Andressa Gohan nos trouxe uma quebra de paradigma visual: a protagonista é uma jovem amazona negra em pleno mundo medieval, e só, tudo acaba aí. Como a temática remetia ao “girl power”, segundo a autora, o objetivo era estabelecer uma crítica a sexualização das personagens femininas na ficção especulativa, porém, a história é anêmica demais para sustentar uma crítica tão grande. Há erro um problema na causalidade dos eventos, parecendo mais uma miscelânea de piadas metatextuais equivocas.
Considero Maximillian Sheldon a pior história que já li de todo o estúdio. Sei que parece injusto com o traço simpático do Lucas Gesse e com o roteiro eficiente do Fábio Gesse. Eles traduziram a música da banda Ultraje a rigor para os quadrinhos. A ideia é genial, e eles contaram com a ajuda do Roger Moreira, vocalista da banda. Porém, como eu não curto mais a sonoridade da banda e acho a figura do Roger repugnante, eu detestei a história. Roger é um roqueiro reacionário, negacionista, bolsonarista, militarista, armamentista, antidemocrático, arrogante, egoísta, egotista, ególatra e que se acha o centro do universo etc. adjetivos que sozinhos já te fazem alguém muito insuportável, mas que juntos te fazem alguém ainda pior. Ele é tão inteligente que se filiou a um partido que não existe. Ariano Suassuna disse que um roqueiro é uma coisa decadente, mas decadente mesmo é um roqueiro a favor do sistema. Sem chance pra essa história irmãos Gesse, prefiro ler Crônicas de Etekion ou 4 elementos.

Para adquirir a obra, acesse aqui:

Link 1 – http://estudioarmon.iluria.com/pd-70f5d0-harmonihq.html?ct=&p=1&s=1
Link 2 – https://www.amazon.com.br/HarmoniHQ-Andressa-Gohan/dp/659908124X
Caliel Alves
Enviado por Caliel Alves em 11/01/2021
Código do texto: T7157518
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Caliel Alves
Araças - Bahia - Brasil
140 textos (9561 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/01/21 22:31)
Caliel Alves