Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A igreja do Diabo


Vale ressaltar a grande dificuldade em classificar os contos Machadianos – bons, excelentes, excepcionais - cada um nos apresenta como uma verdadeira caixinha de surpresa, sempre, a nos inquietar. Não é diferente com esse magnífico conto – a igreja do Diabo.

Já cansado de sua tremenda desorganização, segundo um manuscrito Beneditino, o Diabo tem uma fantástica idéia em fundar uma igreja. Esta seria somente sua, com suas regras, seus mandamentos e, não obstante, com seus dóceis fiéis.

Para a concretização de seu intento, resolve alçar vôo e ir até Deus, comunicar-lhe sua generosa idéia. Parte dos confins do abismo rumo ao céu, num vôo inacreditavelmente assustador e varonil, rompendo drasticamente todas as resistências do ar.

Ao conversar com Deus, o Diabo expôs suas frustrações, embora sempre lucrando, por séculos e séculos, ainda assim, não estava contente, queria ser mais organizado. Para tanto, solicitou a Deus a permissão de juntar as pessoas na terra que fossem mais ricas nos vícios e descuidadas para o bem e, a partir daí, formaria sua própria igreja.

Após muita conversa astuciosa, envolvente e convincente, Deus concede a permissão ao Diabo para criar sua própria igreja.

Num completo estado de exaltação o Diabo retorna à terra querida. Inicia logo sua peregrinação em busca das pessoas mais perversas. Consegue muitos fiéis. Contudo cria seus próprios mandamentos, como jamais amar ao próximo, salvo, se for à mulher do próximo.

O Diabo fica extremamente convicto de que era um ser privilegiado, ante o tamanho do rebanho conseguido por ele, nessa terra tão cheia de pessoas que aderem ao mal. Pensava que estaria no paraíso, após a criação de sua igreja. Quanta organização!

Pois bem, passados alguns anos, o Diabo, fiscalizando muitos dos seus queridos fiéis, percebe-se que alguns, ainda, estão se entregando, em alguns momentos, a pratica do bem. O Diabo fica totalmente desconsolado.

Num vôo mais que drástico retorna ao céu e, novamente, solicita permissão para falar com Deus.

Deus, em sua eterna complacência e bondade, não consegue desfazer de ninguém, diz aos seus Serafins que permitissem a entrada do Diabo.

O Diabo, totalmente afoito, desconsolado e trêmulo, diz a Deus o que estava acontecendo com seu maligno rebanho na terra. Procurou as pessoas mais perversas e ainda assim, elas estariam a praticar em alguns momentos às antigas virtudes.

Então Deus responde ao Diabo:

- Mas o que queres tu? Essa é a eterna contradição humana!

Fonte: ASSIS, Machado de. Volume de Contos, Rio de Janeiro: Garnier, 1884.


Clovis RF
Enviado por Clovis RF em 31/10/2007
Código do texto: T717667
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Clovis RF
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
261 textos (326330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 05:02)