Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANA TERRA

Recordo-me neste momento de um brocardo que, sempre, meu pai dizia, qual seja: não é preciso fazer chover no molhado. Longe de mim, não acreditar que esta metáfora em muito já me foi útil. No entanto, irei elogiar Luiz Fernando Veríssimo por continuar realizando o que seu pai -Érico Veríssimo - fazia com as palavras, era verdadeiramente um mágico das Letras. Escreveu dentre muitas outras obras, Ana Terra.

No Século XVIII, a família Terra - pai, mãe e filhos - vive numa estância erma do interior gaúcho. Seu cotidiano é duro, penoso: tira sustento da colheita, calcula a passagem do tempo observando a natureza, enfrenta ameaças de saque e pilhagem.

Um dia uma das filhas do estancieiro, Ana, encontra, na beira de um regato, um mestiço ferido. É o enigmático Pedro Missioneiro, indiático, bravio, e dono de uma cultura sofisticada em letras, histórias e artes musicais. Acolhido pela família, no início Ana tem aversão a Pedro, mas a repulsa é apenas o prelúdio da paíxão que tomará conta da menina, provocando ira e desejos de vingança nos irmãos e no pai.

Ana, em verdade, não era mais uma menina, mas sim, uma mulher próximo de seus trinta anos. Aos dezoito anos, juntamente com seus famíliares mudam-se de Sorocaba para o Sul.

A enigmática mulher, aos poucos, vai se tornando admirada e respeitada pelos leitores. Passa por momentos dolorosos, como ser estuprada e o assassinato de seu grande amor - Pedro, entretanto, torna-se ainda mais forte, devido a um outro amor sublime - seu filho.

Ana, não obstante, talvéz tenha sido uma homenagem que Érico Veríssimo tão bem pontuou para àquelas mulheres que acreditam que vale a pena ser íntegra, honesta e, sobretudo, confiam em dias melhores.

Mulheres que sentem amor e que são correspondidas; mulheres que sofrem com a perda, mas sabem que outros ganhos serão vindouros; mulheres que levam e trazem esperança, em seus próprios ventres; enfim, mulheres que são responsáveis pela nossa existência - homens. A elas, nosso grandioso respeito e gratidão! Por serem além de mulheres, mães, amantes, também são irrefutavelmente, seres humanos fantásticos!

Isso tudo é um pouco da grandiosa obra - Ana Terra - tem a nos revelar.

Clovis RF
Enviado por Clovis RF em 05/11/2007
Código do texto: T724350
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Clovis RF
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
261 textos (326299 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 02:18)