Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONETO AO AMOR




Meu amor não tem distância, minha alma é pura,
Meu coração é solene, como tudo o que fenece
E se torna em tortura, e logo se desvanece.
Meu sonho vai mais além, minha tez é impura,

E eu vivo torturado além de mim e da minha cura.
Sou como o mar à beira praia, onde se esquece
A areia que é dela, e nela é querida e arrefece.
Minha vontade não tem preço, meu ser perdura

Com a força dos braços, que não permanece.
Minha carne não cede, minha mente é demente
E eu sigo apaixonado como tudo o que consente.

Meus músculos retesados, meu sangue que esquece,
Minha boca de cerejas, minha fruta permanente,
Traz-me aqui o amor, assim, num repente.


Jorge Humberto
22/02/07
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 22/02/2007
Código do texto: T389905

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 54 anos
2650 textos (69828 leituras)
22 áudios (947 audições)
13 e-livros (548 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 17:32)
Jorge Humberto