Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FINAL DE FESTA

O riso que se escarra em minha face
Fazendo-me um palhaço sem futuro,
Tristíssimo motivo num disfarce
Abraça-me convulso, torpe e impuro.

Satânicos delírios neste esgarce
Que lambem meu sentido, opaco, escuro,
Bisonhos estandartes onde espace
O manto mais vetusto quase puro...

Num estertor agônico me entrego,
Na mão trago a fornalha que te queima,
Ao menos o diabo que eu carrego

Retesa-se num riso qual sardônico,
O meu cadáver lúbrico não teima,
Implode em um formato arquitetônico!
Betosantamarta
Enviado por Betosantamarta em 03/03/2007
Código do texto: T400279


Comentários

Sobre o autor
Betosantamarta
Espera Feliz - Minas Gerais - Brasil, 38 anos
25 textos (930 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 12:10)
Betosantamarta