Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
SEMPRE UM JUDAS


Odeio-te sol cruel, espelho do meu espanto!
Fazes-me ver este horizonte de horrores:
A desventura, a indiferença, minhas dores,
A boiarem nas águas frias do meu pranto!

Teu lume queima a realidade, e me dói tanto,
Que me estremeço ao embalo dos temores...
Segue, feroz cobarde, e por onde tu fores,
Jamais volvas a clarear este meu manto.

Ó noite bela! Abre teus braços ao falso!
Deita em teu colo as trevas do meu selo,
Sê a guardiã fiel contra o mal que calço!

Visões, torturas e espectros dão-me zelo!
Ó sono vil! Ó Judas que me dá regaço,
E entre beijos me entrega ao pesadelo!
Aécio Cavalcante
Enviado por Aécio Cavalcante em 08/03/2007
Código do texto: T406174

Comentários

Sobre o autor
Aécio Cavalcante
Oeiras - Piauí - Brasil, 62 anos
76 textos (5406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 12:01)
Aécio Cavalcante