Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto dos Andes

Os Andes, de repente, vontade de vê-los me aflora!
A famosa Cordilheira dos Andes
De selvagens vulcões de antes
De calmos lagos de outrora.

Nem maravilhas da Oceania
Nem riquezas da América nobre.
A Europa é só senhoria e
C’o resto do mundo se encobre.

De abismos que me abismam
Aos topos gelados gigantes
Só ouço me chamarem os Andes

Dizem-me: “Ande neste solo nevado, ande nesta crosta magmática,
ande neste vale sombrio, ande neste pico celeste”!
E, de repente, nos Andes, sem me cansar, eu ando, ando, ando...
Saulo Pessato
Enviado por Saulo Pessato em 20/09/2015
Código do texto: T5389098
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Saulo Pessato
Campinas - São Paulo - Brasil
2836 textos (65609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/20 05:50)
Saulo Pessato