Um vagar incerto

Frêmitos, sustos, ecos da incerteza,

Aquela tontura marcando presença,

O torpor é alternativa à desavença,

Um copo meio vazio sobre a mesa.

No desarranjo causado pelo vento,

Impossível localizar serenidade,

Ensina a experiência da idade:

Olho de furacão é enganoso alento.

Malogrado o escape que se tentou,

Fica um resquício de arrependimento,

Pelo resultado acre que na língua restou.

Nas horas vagas, vaga o pensamento,

Atrás do significado que a vida esgotou,

O sentido cujo único atavio é este lamento.