Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



GERAÇÃO ABANDONADA


Era manhã de sol, céu azulado,
Quando um simplório esquife à sepultura,
Levando um corpo, intrêmulo, é baixado.
Um silêncio... Nenhum pranto e tristura.

Quase ninguém sabe de quem se trata,
Sequer um quisto alguém na despedida.
Há anos vil soledade a arrebata
Quando, por rejeição, posta em guarida.

Na velhice viveu, quando deixada
Sem data venia, ali parte da vida,
Nenhuma vez sequer houve passada

Da parentela à tênue alma dorida.
Teve seu quisto alento, abandonada
Do albergue à cova, na eterna dormida.

*********


ILUSTRÍSSIMO AMIGO E POETA RICARDO CAMACHO

*** FÉRETRO DO SILÊNCIO ***

Ali, resume-se uma história antiga...
Sobre o mármore sujo a caixa hedionda
Conserva-se impassível... na alma estronda
Um tédio cognoscível da cantiga!

Esse espetáculo vetusto atinge
A transcendência doutros corpos mudos,
A naturalidade sã do estudo
Compreende todo o cinza que restringe!

... Dali parte o feliz defunto, velho,
Por finas entrelinhas do evangelho,
Tal como a história mínima e esquecida!

E por mão calejada o corpo some,
No cemitério a névoa deita insone
E a Bicharia rói - lã aquecida!

POETA CARIOCA, 16/04/2018

*********


ILUSTRÍSSIMO POETA CHRISTIANO NUNES

******* A REALIDADE *******

Andando na cidade de repente
Vejo alguém deitado sob a marquise
Cuidando-se pra que ninguém o pise
Porque ali é passagem de muita gente.

Olho pra aquele ser ali sozinho
Que com grande tristeza olha pra mim
Com gestos me pede algo, mas enfim
Ignoro e prossigo pelo caminho.

A pobre criatura, só quer viver
Mas não a socorrem, e ela continua
Não tem um copo d'água pra beber.

Quando voltei, vim pela mesma rua
Pensei naquela pessoa socorrer
Mas já estava morta e quase nua.

CHRISTIANO NUNES, 22/05/2018

*********



ILUSTRÍSSIMO POETA JACÓ FILHO

***** CHEGADA A HORA *****

Os parentes segurando em cada alça,
Vertendo lágrimas pesando a herança.
Feito os vermes, já exibem confiança,
Alguns fervilhando, na perna da calça...

O meu espírito vem como uma visita,
Pela certeza do corpo não servir mais.
Relembra a data que enterrou os pais,
E prometeu nunca mais rever à cripta...

Rezando por si prevendo novo retorno,
Deixa outra vez amigos num cemitério,
Pra ir buscar seus direitos por critérios,

Que ditam o céu sem favor ou suborno.
Por lá não vale nenhum tipo de minério,
Apenas ações que ao bem levou à sério...

JACÓ FILHO, 07/06/2018


*********



Imagem Google


 
DiltonRB
Enviado por DiltonRB em 16/04/2018
Reeditado em 08/06/2018
Código do texto: T6310355
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DiltonRB
Belém - Pará - Brasil
30 textos (2043 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/06/18 15:11)
DiltonRB