Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"ANGÚSTIA DO SÉRIO AMOR."

Adolescência que me torturara, respeito,
Consideração pelos meus e aos demais
Da família o interno conceito
Imaginando-a, como a dos meus pais.
Desta saudade, nos traz enganados,
Confesso a dor sentida de um amor
Unidos, por desmaios, separados.
Sofrimento causou-me tanto horror.

Vivíamos nosso querer e juntos,
De infantes, era o nosso amor,
Com treze anos de tantos assuntos
Discutíamos futuro tanto calor.
Pai dela separou nosso conjunto,
Golpe triste separava o amor,
Chorei muito em lamentos ao defunto
Que sem caixão tumulo peito de dor.

Na escola, na carteira mesma, sentados,
Casal sem defeitos e amor puro,
Por todos éramos tão respeitados,
A unirmos sentia-me ainda inseguro.
Menina moça seios lindos já formados,
Encanto, pêlos macios e meu duro;
Puberdade sentida, sonhos fados,
Excitação vivida, sentindo meu apuro.

Carinhoso, física encontrá-la,
Short curto, coxas belas, excitação;
Pulcra e amada, porém sem tocá-la,
Amor puro aos beijos sensação,
Imaginava-a pura ao altar levá-la
Sonhos nossos, nobreza inspiração;
Sorri jovens agora contá-la,
Amor sincero para bela união.

E no jardim quando encontrávamos,
Namoro sério e respeito demais.
E não dizerem em que estávamos,
Por desrespeitando dela aos pais
Dez horas, partindo, separávamos;
E duma saudade, sentia sempre mais.
Roseira, espinhos, rosa amávamos,
Beleza sendo toda dos meus rosais.

Amando, com certeza não se larga,
Eis porque a gente não separava;
Um ao outro respeito sem amarga,
Unidos, paixão que aprisionava,
Não depositava no outra carga,
Pois sabia que mesmo o levava;
Amor por questões não embarga
Sentimentos a que ambos abrava.

Sonhando feliz pela nossa vida,
Pelos encantos todos da princesa;
Sobrando amor em nossos corações,
Era-me alegria sonhos querida,
Feliz me tornava com minha presa;
Puro amor, não apenas ilusões:
Minha toda aquela beleza,
Nós então vidas sendo, nossas paixões.

O pai dela ciente do namoro,
De joelhos em grãos de milho a deixou,
Quando disso fui tirar satisfação
Deparei com ela em gritos, choro;
Foi quando a palavra me falou;
Por ser doente,desmaios sofria então
Depois que Romeu,ouvindo se calou;
Julieta, triste, matou-lhe o coração.

Barrinha, 19 de junho de 2018
Aibs1953@gmail.com
antonioisraelbruno
Enviado por antonioisraelbruno em 19/06/2018
Código do texto: T6368324
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
antonioisraelbruno
Barrinha - São Paulo - Brasil
1633 textos (83234 leituras)
4 áudios (684 audições)
178 e-livros (11930 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/18 23:55)
antonioisraelbruno

Site do Escritor