Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



Um pequenino poema
 

 
Quaisquer temas de interesse do autor, poderão ser alcançados através deste distinto haicai — o chamo de distinto, por não conseguir encontrá-lo entre os demais haicais que conheço — entretanto, tais temas hão de levar o leitor à uma reflexão salutar; assim, se é para edificar, é de ficar contente aquele que o ler; para que isso se dê, tal diminuta obra poética, há de se submeter à sua formação, a três distintas e estanques regras, quais sejam:
 
1 - Cada um desses haicais distintos há de se fundar  em uma estrofe formada por apenas três versos, ou seja, cada um se compõe de um simples terceto.
 
2 - O primeiro e terceiro versos que compõem esse pequenino poema, individualmente, se comporá, de cinco sílabas poéticas; e entre si, tais versos hão de rimar; já o segundo verso, se encerará em sete sílabas poéticas, e mais, a sua segunda sílaba que tônica deve ser, haverá de rimar com a sua sétima sílaba desse verso.  
 
3 - Ou o primeiro verso, ou o terceiro, se expressará através de uma asserção que tenha um sentido independente dos demais pares seus, contudo, com esses se interligará, e mais, esse verso independente, haverá de carrear uma mensagem que em si, poderá ser clara ou subliminar.
Entre esses dois versos — o segundo e o terceiro — Excluído aquele que tem essas características preconizadas logo acima, o outro, para se fazer bem compreendido, dependerá do segundo verso; com isso, esse verso verá naquele o seu complemento.

 
* Em situações singulares (o que suscita maior dificuldade para serem concebidos) ambos os versos — o primeiro e o terceiro — juntos poderão servir de complemento ao segundo verso, porém, ao fazê-lo, cada um manterá a sua expressão própria e independente. 
 
Vê abaixo um exemplo de haicai distinto que se enquadra aos preceitos acima, e outro que se vê entre a ditas “situações singulares”:
 
Boas decisões
 
Mau vem de cisões
Defere-se mal e fere
Boas decisões
 

Teme! Pois vai a idade...
 

Vives de vaidade
Em pó se se esvair podes

Teme! Pois vai a idade...















.
Eugene Garrett
Enviado por Eugene Garrett em 19/02/2020
Reeditado em 23/02/2020
Código do texto: T6869742
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Eugene Garrett
Beira - Coimbra - Portugal
65 textos (959 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/03/20 14:23)
Eugene Garrett