Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A FLOR ESTÉTICA

LM, querida! Uma situação é quando o espiritual permite "escrever o que a alma dita e concebe como poema", pois este é o primeiro momento de criação – o do nascimento do poema – obediente ao estado psíquico chamado de "inspiração" ou "espontaneidade", cuja escrita vem prenhe de emoção e é matéria disforme, esteticamente, mesmo que contenha verdades incontestes, sabedoria de mundo, ritmo e formato agradável aos olhos. Numa outra situação, ocorre o segundo momento criacional, aquele que provém da razão, ao qual chamo "transpiração", em oposição à tal de "inspiração". Pouquíssimos criadores, em Poética, comprometem-se, efetivamente, com a mais exigente de suas espécies, a Poesia. Contentam-se com o primeiro momento inspiracional e entendem que o poema nasce pronto e acabado. Ledo engano! Designo como “alforriados ou libertos” aqueles poetas-autores que não se conformam com o formato inicial do poema recém-criado e o cinzelam como verdadeiros artesãos da matéria verbal. Subentende-se que estes cinzeladores do verso estão prontos – e seus íntimos alter egos também – para chegar a um excelente poema com absoluta liberdade, porque ao cumprir os dois momentos de criação, cultivaram a mais linda flor estética: o lírio nascido do lodo, utilizando a simbologia da dor e do sofrimento da alma humana – aquela que, em regra, produz o poema com Poesia. A minha alegoria da "carta de alforria" é um comparativo histórico àquela que os escravos libertos recebiam quando de sua declaração de liberdade (por ela o negro brasileiro passava a ser cidadão), ao tempo do Império do Brasil, antes da Abolição, em 1888. No caso, enfim, a "carta" é a declaração de sua libertação do emocional, prevalecendo o racional, que vai dar forma ou formato ao poema, em definitivo, Para mim, no entanto, mesmo que o poeta-autor cumpra os dois momentos preconizados, o poema nunca está definitivamente pronto, sempre há algo a reajustar no organismo estético que ele representa. E isto de dá porque o poema com Poesia nunca é matéria morta. E, a bem da verdade, quem lhe dá vida em plenitude de beleza, perfume e cor é o poeta-leitor...

– Do livro A VERTENTE INSENSATA, 2017.
http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6163586
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 05/11/2017
Reeditado em 05/11/2017
Código do texto: T6163586
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2911 textos (776780 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 11:08)
Joaquim Moncks