Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O LEITOR FRENTE À CRIAÇÃO

E então o poeta-pesquisador condenado ao pensar disse ao interlocutor: “Estivemos falando até o presente momento sobre a criação humana, portanto, nada tem a ver com o mavioso canto dos pássaros trazido como base de sustentação para tua posição, querido escriba. Também, em nenhum momento falei em aplausos do leitor para que o texto viesse a existir, conforme argumentas”. O que está posto por mim é que o texto prosaico, e mais fortemente o poema, só adquirirá vida após a leitura feita pelo receptor. Até então, o escrito era apenas matéria inerte, segundo o meu modo de ver. Acato, teoricamente a chamada "Teoria da recepção", de Hans Robert Jauss, nascida em 1967, na Universidade de Constança, Alemanha: “A Estética da Recepção ou Teoria da Recepção propõe uma reformulação da historiografia literária e da interpretação textual, procurando romper com o exclusivismo da teoria de produção e representação da estética tradicional, pois considera a Literatura enquanto produção, recepção e comunicação, ou seja, uma relação dinâmica entre autor, obra e leitor. Pela reconstrução do processo de recepção e de seus pressupostos, restabelece a dimensão histórica da pesquisa literária, conforme observa Luís Costa Lima em estudo introdutório, alguns dos teóricos e analistas da estética da recepção apontando para a mudança do paradigma da investigação literária e discursiva, remetendo o ato de leitura a um duplo horizonte: o implicado pela obra e o projetado pelo leitor de determinada sociedade. A estética da recepção volta-se para as condições sócio-históricas das diversas interpretações textuais: o discurso literário se constituiria, através de seu processo receptivo, enquanto pluralidade de estruturas de sentido historicamente mediadas.”. (Wikipédia). Por esta, fica assente que o analista crítico deve levar em conta os critérios de recepção, o efeito produzido pela obra nos leitores – meta principal daquele que produz a obra e da obra em si. Esta concepção teórica é a que mais me satisfaz para tentar entender a fenomenologia do nascimento da obra ou peça literária nos dois polos de criação: o autor e o leitor. Segundo esta abordagem e concepção, o leitor tem função sacramental, preponderante. É o polo receptor que vivifica o texto, que lhe dará publicamente vida e notoriedade – o best seller – este mesmo, o laureado da listagem dos “mais vendidos”. Aquele humilde e anônimo aficionado da leitura e letramento, que o consumirá e que lhe dará fôlego para a posteridade...

– Do livro inédito A VERTENTE INSENSATA, 2017/18.
https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6343113
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 21/05/2018
Reeditado em 22/05/2018
Código do texto: T6343113
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
3236 textos (827658 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/18 13:45)
Joaquim Moncks