Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OUTRA VEZ CAMUS ( 1913/1960 )


 
1---No Brasil, agosto de 1949, já era famoso...   -  três anos antes, nos States, sob olhar suspeito das autoridades, visto como "um comunista perigoso" -  aqui, recebido com homenagens oficiais e convites cerimoniosos, sempre os membros da 'intelligentsia' local disputando-lhe companhia e atenção.  Enfado nestas paqueras, pois sua vida era simples, problemas de saúde, depressão, fraqueza, quase ideias de suicídio:  viagem transformada em pesadelo?  Recaída de tuberculose... ----- Em 1978, publicados na França os 48 dias no Brasil, "Cadernos de viagem", sem esconder incômodo e melancolia.  Para ele, São Paulo era uma Orã de maior porte - sobre existencialismo, ironizou que achava a cidade extraordinária, um fenômeno, ninguém ainda lhe fizera esta pergunta. ----- Ácidas observações sobre a vida brasileira e espanto sobre contrastes sociais - "favelas a cem metros do luxo" e dos palacetes - e violência do trânsito - "motoristas alegres loucos ou frios sádicos", atualidades reais não atribuídas a seu mau humor.  Corpo diplomático ficou perplexo com temas sensíveis e declarações polêmicas:  "Brasil, país da indiferença e da exaltação". -----  No Rio, o lado não ruim.  Teatro Experimental do Negro, trupe de ABDIAS NASCIMENTO encenando "Caligula" sob perspectiva afrobrasileira - ele admirou os 'romanos negros' e lhe pareceu uma representação cruel, viva e vagamente sensual.  Abdias o levou ao município de Duque de Caxias e terreiros de candomblé, que lhe causaram forte impressão, e a uma noitada na gafieira Elite, no centro do Rio.  Fez amizada com MURILO MENDES e uma moça de "olhos verdes de mãe malvada". Com OSWALD DE ANDRADE, em Iguape, interior de São Paulo, presenciou a festa anual do Bom Jesus;  durante os rituais, fiéis arrancam pedaços de uma pedra com poder de cura - esta lenda lhe inspirou um conto, "A pedra que cresce" (publicado em "O exílio e o reino", 1957).  Na verdade, a pedra jamais cresceu. Fotografado com LINA BARDI, arquiteta modernista, comendo feijoada na casa de Oswald.  Este o levou a uma penitenciária, conversou meia hora com um detento e opinou:  "É a sociedade que faz o criminoso."  ----- Fora de seu meio natural, se sentia efetivamente um estrangeiro, como se sentiu aqui.
 
2---Centenário de nascimento em 2013.  -  "O estrangeiro", grande romamce do argelino ALBERT CAMUS, publicado em Paris em 1942.  Personagem Mersault matou um árabe sem saber por quê.  Sem motivo externo, será que o sol forte o atordoava?  Assim, destruiu o equilíbrio e a sensatez do mundo, pois nada justifica um ato irracional - proximidades de absurdo e liberdade... impulsão sem sentido., intolerância arraigada e primitiva.  Personagem recebera noticia da morte da mãe, que estava num asilo, frio telegrama com leve atraso.  Dois de licença no trabalho, "A culpa não é minha", pensa.  Tranquilo.  Depois do enterro, caso encerrado, normalidade -  fatos distantes que nõ lhe dizem respeito:  só não quer vê-la morta no caixão aberto.  Luz intensa na sala do velório - pensa, então, que a morte é uma assepsia.  Durante o enterro, sol forte de derreter asfalto... e a consciência. ----- De volta ao trabalho, patrão aborrecido, dois dias de folga e fim de semana, ganhara quatro dias.  Pensa que a culpa não é nossa, mesmo nos sentindo um pouco culpados e ninguém é responsável por nada.  Nada mudou com a morte da mãe, o que justifica sua indiferença e tédio.  O tempo não pára.  O vizinho Raymond Sintès é contraventor, à margem de convenções e regras, também não responsável por isto - neste mundo de autômatos, cada um age "como deve agir" e isso é tudo.  Aí, vem a briga com o árabe que irã matar.  "...não fui eu que provoquei.  Ele que quis."  Age por reflexos, responde a provocações, defende-se, nunca autor de seus atos, nunca assina sua própria existência.  Triste ideia contemporânea:  o autor morreu. ----- O sol pesado lhe aumenta a indiferença.  Relaciona-se com certa Marie que pergunta se quer casar-se com ela.  "Tanto faz" - não existem sentimentos mas posições.  Não existem escolhas - o mundo é um taboleiro no qual o destino sonolento joga a sorte. ----- Matou o árabe só porque o amigo Raymond se sentia perseguido por ele - na praia, o árabe os olhava como se fossem pedras ou árvores mortas.  Mersault é preso, promotor tenta encontrar um motivo que justifique o crime horrendo, mas nada encontra, nada faz sentido, apenas impulsos; não razões, mas irracionalidade......... como nos dias de hoje.  Atualidade de Mersault, do livro, da presença atordoante do escritor argelino, vivo, ressuscitado entre nós. ----- Preso, espécie de prostração salvadora, sono leve e sem sonhos.  No julgamento, advogados perdidos na ausência de provas materiais, passam a agir como psicólogos ante um caráter vazio e o próprio Mersault não se sente culpado, sente-se um boneco, arrastado pela Terra por um destino mau e traiçoeiro... vida irreal e estúpida. ----- Há uma sentença célebre de JEAN-PAUL SARTRE:  "Não importa o que os outros fazem da gente, mas o que a gente faz do que os outros fazem da gente."  Para Mersault, sentença impensável - não responsável por nada, limita-se a sofrer e reagir.  Não dono de seus atos, não dono de  si, não pensa.  Haverá um "si" ou somos todos máquinas, ligados a fios e satélites, respondendo mecanicamente aos desejos de um grande deus inerte e inevitável? ----- Mersault não tem dúvidas nem pensamentos, nada no peito vazio:  é um fantoche, um embriagado ou drogado ou fanático que cumpre a lei que lhe é ditada ou um ventríloquo, boneco humano que chegou a um limite em que a humanidade é só um breve resto de memória.
 
             ------------------------------------------------------------
 
NOTAS DO AUTOR:
 
ORÃ - Cidade no litoral mediterrâneo da Argélia, cerca de um milhão de pessoas, na época, área metropolitana para muito mais...
ABDIAS NASCIMENTO - Poeta, ator, escritor, dramaturgo,a artista plástico, professor universitário, político e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras.
 
FONTES:
 
"Uma vista problemática:  a visita de Albert Camus ao Brasil" --- "Mersault hoje", artigo de José Castello - Rio, jornal O GLOBO, 2/11/13.
 
                                               F  I  M





Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 26/08/2018
Código do texto: T6430901
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 52 anos
905 textos (53146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/19 23:28)
Rubemar Alves