Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

14.2- ORIGEM do TEATRO



Como poderemos nós, actualmente, descobrir como é que os Antigos se distraíam e se divertiam?
Fazendo como os ARQUEÓLOGOS:
– Observando os textos e as pinturas dos MURAIS dos antigos monumentos, os FRAGMENTOS encontrados em escavações, observando as HISTÓRIAS antigas... Pois se estivermos atentos aos achados arqueológicos e ao seu significado, os povos Antigos ainda conversarão connosco, e ainda nos darão imensa informação sobre o que foram as suas vidas nas suas épocas tão recuadas.

Em 1922, alguns EGIPTÓLOGOS descobriram que o Teatro nasceu na civilização dos EGÍPCIOS da Antiguidade (1). Foram encontrados vários elementos que dão fundamento a esta afirmação:
= uma ESTELA de cerca de 1.660 aC, onde alguém inscreveu que foi o companheiro das digressões de um “patrão”, não se cansando das “declamações que ele recitava”;
= uma pintura de cerca de 1.900 aC, mostrando um bailado chamado “Canto dos Quatro Ventos”.

Os antigos Egípcios teriam uma “representação” algo semelhante a uma espécie de ópera, pois por vezes, nas actuações havia um ACTOR que CANTAVA um poema, e um CORO que respondia!
E não representavam apenas em verso; também representavam textos em prosa, portanto, sem dança e sem música.

Estes achados demonstram que entre os Egípcios se praticava uma arte de “performance”. (2)
E então, perguntaremos: onde é que eles exibiam as suas representações?

Temos que entender que nessas épocas tão longínquas, todas as manifestações humanas eram “sagradas”.
Assim, as representações realizavam-se nos pátios dos templos, ao ar livre. Inicialmente, falariam das vidas dos Deuses... E as estátuas sagradas eram retiradas dos seus oratórios para que também os Deuses pudessem vir ver as representações realizadas em sua honra!

A civilização egípcia durou alguns milhares de anos. A sua História começa por volta de 3.150 anos antes de Cristo, e prolonga-se até ao ano 30, igualmente antes de Cristo. Durou, portanto, algo mais de 3.150 anos...


***

Umas civilizações brilham e dão espaço a outras. Por vezes, perdem todo o seu relevo porque há povos que lhes fazem guerra... Outras vezes, porque, tal como as pessoas, as civilizações também envelhecem... E surgem civilizações mais novas, prontas a engendrarem novos hábitos, novos conceitos sobre a Vida, novas técnicas... Com o Egipto, aconteceram as duas coisas... Aliás, o Egipto também tinha feito guerras a outros povos...

Seja como for, as civilizações são muito importantes umas para com as outras. Lembremos como no capítulo 7 dissemos que os Povos da Antiguidade estavam em grande contacto uns com os outros... Não tinham internet, nem aviões... As deslocações eram terrivelmente lentas... Mas quer as FILOSOFIAS, quer as HISTÓRIAS, quer as INOVAÇÕES, iam passando de umas regiões para outras...

Os povos da Antiguidade, sobretudo os povos do Próximo e Médio Oriente foram muito importantes para a civilização europeia:
Os Egípcios, os povos da Mesopotâmia (Babilónios e Assírios), os Fenícios, os Hebreus, os Persas... Até mesmo as longínquas regiões da Índia, e da China...


***

Ora bem... Voltemos às ORIGENS do TEATRO...
Na Antiguidade da Grécia, também era costume fazer grandes festas em honra dos Deuses. Um desses Deuses era Dionísio.
Este Deus simbolizava as forças da Natureza, e era celebrado com banquetes rituais, onde corria o vinho... Havia, pois, cantares e danças!
E havia longas procissões, que saíam do templo de Dionísio e davam a volta em percursos rituais, para depois regressarem ao templo... Tinham palanques onde dançavam as jovens sacerdotisas, recitando a vida desse Deus...
Com o passar do tempo, esses cantos e danças começaram a ser exibidos fora do templo... e...
...E esse foi o estímulo para que, com o tempo, outras histórias se fossem misturando às narrativas sobre a vida do deus Dionísio...
Isto é, essas cerimónias “secularizaram-se”... Ou seja, tornaram-se “profanas”...

Por volta do ano 524 aC, nasce um homem que vai ter uma ideia aparentemente genial... Só aparentemente genial, uma vez que já os Egípcios, desde muito cedo, realizavam as suas “performances”:
ÉSQUILO cria uma narrativa que será exposta por meio do trabalho de ACTORES, sobre um PALCO.
Ele inspira-se em acontecimentos da História das cidades da Grécia, em histórias das suas figuras notáveis. Escolhe acontecimentos trágicos, com a intenção de instruir – ou melhor, “moralizar” – o Povo.

Na Grécia da Antiguidade, havia duas categorias de espectáculo teatral:
A TRAGÉDIA, que se destinava a educar a assistência, através de espectáculos trágicos e comoventes, com exemplos de coragem e dignidade;
e
A COMÉDIA, que se destinava a divertir, gozando desde as histórias dos próprios Deuses até aos ridículos dos comportamentos das personalidades vivas, reais.


Os mais notáveis autores de TRAGÉDIAS da civilização grega foram:
ÉSQUILO, c. 525/524 a.C.- 456/455 a.C.
SÓFOCLES, 497 ou 496 a.C. - 406 ou 405 a.C.
EURÍPEDES, c 480 a.C. - 406 a.C.


O mais notável autor de COMÉDIAS da civilização grega foi:
ARISTÓFANES, c. 447 a.C. - 386 a.C.


***


 Na civilização Romana, o TEATRO não desempenhou o mesmo papel notável que tinha desempenhado nas civilizações anteriores de Egípcios e de Gregos...
Mesmo assim, os Romanos – os LATINOS, também tiveram autores teatrais que deixaram o seu nome na memória dos povos vindouros:

PLAUTO: cerca de 230 a.C.-180 a.C.

TERÊNCIO: ca. 195.C.-185 a.C. - ca. 159 a.C.


***


Que CONCLUSÃO poderemos tirar deste nosso tema de hoje?

Concluiremos que o TEATRO nasceu a partir das representações religiosas, realizadas nos adros dos TEMPLOS.
A partir de certa altura, a par dessas representações passou a haver outras, de carácter mais relacionado com a vida quotidiana das pessoas, reflectindo por um lado, os seus anseios e preocupações, e por outro, a sua necessidade de distracção!

Mas essa tradição da origem religiosa das representações teatrais prolongar-se-ia para a Idade Média europeia!
Oh... Mas esse será um tema para outro artigo!



NOTAS:


(1) - Abbé Drioton:
A sua obra - Ce que l'on sait du théâtre égyptien (Éditions de la Revue du Caire), Cairo, foi publicada em 1925.


(2) - Nos LINKS seguintes, poderá ver imagens das danças egípcias... uma vez que não podemos ouvi-los cantar...:


Musique et Danse:
Neste LINK, poderá ver igualmente alguns dos instrumentos musicais dos Egípcios:
http://nefernathy.e-monsite.com/pages/les-loisirs/musique-et-danse.html


La musique chez les Égyptiens
https://www.musicologie.org/theses/felix_clement_2_egyptiens.html


Ancient Egypt culture, dancing in ancient Egypt
https://www.egyptprivatetourguide.com/egyptian-culture/ancient-egypt-culture-dancing-ancient-egypt/


***


INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR
Histoire du théâtre :
https://www.larousse.fr/encyclopedie/divers/histoire_du_th%C3%A9%C3%A2tre/96913


Poderá pesquisar, no site brasileiro TODA A MATÉRIA, vários artigos relativos a estas civilizações da Antiguidade:
Basta que “navegue” na rubrica “História”.




© Myriam
Fevereiro, 2021
Myriam Jubilot de Carvalho
Enviado por Myriam Jubilot de Carvalho em 20/02/2021
Reeditado em 21/02/2021
Código do texto: T7189242
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Myriam Jubilot de Carvalho
Portugal
136 textos (2250 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/05/21 21:32)