Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


 
A expressão “estatuto dos congressistas” se refere às regras referentes aos parlamentares, o que inclui imunidades, vedações, prerrogativas, hipóteses de perda de mandato legislativo ou cassação e, etc.
 
Inicialmente, observaremos o artigo 53 da CF/1988 que se refere às imunidades dos deputados e senadores. Tais imunidades constituem as prerrogativas de ordem pública são irrenunciáveis posto que sejam decorrentes do princípio da separação dos poderes. E, são atribuídas ao Poder Legislativo para o exercício de suas atribuições constitucionais sem a ingerência indevida dos demais Poderes.
 
É a diplomação e não a posse que marca o início da vigência das imunidades. Lembremos que a diplomação, em verdade, é ato posterior à posse, realizado pela Justiça Eleitoral e, finalmente, proclama eleito o candidato.
 
A inviolabilidade prevista abrange a seara cível e penal por quaisquer de suas opiniões, palavras ou votos.  Quando não há crime.
 
De sorte que as manifestações escritas ou verbais realizadas durante o mandato, não acarretarão a responsabilização civil ou penal seja durante e, mesmo depois que deixarem o cargo parlamentar.

Sublinhe-se que tais condutas quando perpetradas pelo cidadão comum poderiam tipificar crimes como os contra a honra tais como calúnia, difamação ou injúria[1] e, quanto praticada por parlamentar serão atos lícitos posto que sejam imunes à responsabilização.
 
 
[1] Na calúnia, o autor do delito atribui ao ofendido uma conduta que é definida na lei como criminosa. Por exemplo, João, sabendo ser falsa a afirmação, diz que Carla, servidora pública, recebeu dinheiro para acelerar o andamento de um requerimento administrativo.
Existe calúnia nesse caso, porque a conduta atribuída por João corresponde ao crime de corrupção passiva. Na difamação, o agente atribui ao ofendido uma conduta ofensiva à reputação, mas que não corresponde a crime (pois, nesse caso, seria calúnia). Na injúria, o agente ofende a dignidade ou o decoro do ofendido por qualquer meio.
Ocorre, por exemplo, se Júlia se dirige a Luís e o chama de “desonesto, sem vergonha”. Os tribunais brasileiros costumam entender que não ocorre crime contra a honra quando pessoas trocam ofensas durante discussão (é o que se chama de retorsão imediata), mas isso também dependerá do exame das circunstâncias.
 
GiseleLeite
Enviado por GiseleLeite em 22/01/2020
Código do texto: T6847808
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
GiseleLeite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
2350 textos (3968985 leituras)
35 áudios (5206 audições)
27 e-livros (153745 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/08/20 18:32)
GiseleLeite

Site do Escritor