Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tratado cyber poético

Sem versos e estrofes
Sem sentimentos fáceis
Idéias enlatadas
De outros todos os tempos
Com sem rimas e
Sentimentalmente blasé
Racionalmente conectado
A uma alienação sufocante
De asfalto, neon e bytes
Páginas configuradas
Vidas desconfiguradas
Pela tela, pelo site
Pelo tédio, pelo scrap
Pela solidão conectada
A mil corações que não
Sentem um motivo real
Para pulsar...
Corpos pútridos
Olhos miúdos
Letras em fonte
Onze sem fontes
Dedos presos
A teclas e mais teclas
Cérebro formatado
A uma infinidade
Finita de páginas
Do livro que não
Se abre nem fecha
Que não ensina
Nem problematiza
Os eternos porquês
Da minha virtual
Inexistência real
Rostos de cera
Na janela mundial
Conceitos descartáveis
Escrita miserável
De comunidades sem
Linhas imaginárias
Ser gauche enquanto
O mundo se choca nas
Paginas que suportar
Abrir
O bonde não passa mais cheio de pernas
Cheio de dedos o  mundo se perde e
Deixo de ser mais eu
Para ser mais todos quanto
Uma comunidade suportar
As dores, quem as curará?
Os nomes, quem se lembrará?
Heróis, quem levantará?
Numa passagem de plasma
O real se apresenta a um
Mundo sensível e duro
Para ser meramente
virtual


Daniel Medeiros
Enviado por Daniel Medeiros em 27/08/2007
Reeditado em 13/09/2007
Código do texto: T626184

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Daniel Medeiros
Bragança Paulista - São Paulo - Brasil, 38 anos
34 textos (3010 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 21:10)
Daniel Medeiros