Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

jaula entreaberta

desde que abri a porta
cerrei os punhos
saí lá fora
pra bater ou apanhar
pra bater e apanhar
enfrentei a vida lá fora
o frio,
a chuva
a lama
a solidão

desde que abri a porta
sabia que eu era por mim assim
como a sombra era pela luz,
como a primavera era pelo pólen

desde que abri a porta
ao entrar
perfurei na pedra o caminho
esculpi meus passos
no compasso do tempo

desde que entrei na sua vida
nada fiz
nada acrescentei
talvez só dúvidas
e tristezas

com medo de fechar a porta
deixei entreaberta
mas o vento fortuito,
bastarda ventania
bateu a porta
fechando meu rumo
em direção a você

desde então
choro quando não consigo
abrir portas
entender as rosas
e matar as tristezas

e as parcas alegrias
de fim de noite
após uma poesia
ou outra literatura
primam por  delatar a existência
enjaulada no quarto.
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 28/08/2007
Código do texto: T628148
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gisele Leite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1673 textos (3754678 leituras)
35 áudios (5091 audições)
25 e-livros (144555 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 13:33)
Gisele Leite

Site do Escritor