Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TOCA O TELEFONE

TOCA O TELEFONE



Numa linda manhã de Maio, o sol entrava no meu quarto com mais intensidade do que nunca, talvez por isso eu acordara mais cedo. Olhei o relógio, marcava 8 horas e 45 minutos, pensei: - Não pode ser, meu Deus! É de madrugada, estiquei-me na cama e fiz uma preguiça, voltei-me para o outro lado e aconcheguei-me na almofada. Depressa adormeci novamente. Eis se não quando o telefone que todas as noites levo para a mesa-de-cabeceira, dera o ar da sua graça. Meio acordada meio a dormir, peguei nele, pressionei um botão qualquer e tentei ouvir quem me chamava do outro lado da linha e nada, ninguém falava e o desgraçado parou de tocar. Continuei dormitando e ainda não tinham passado dois segundos, ele chamava-me novamente. Repeti os movimentos feitos anteriormente apenas mudei de tecla com toda a certeza pois sem óculos era possível ter-me enganado e tudo se repete, aquela coisa tão pequenina traiu-me outra vez. Como a sonolência persistia, continuei dormitando para mais uma vez e passados dois segundos voltar a aborrecer-me. Novamente eu ficara sem saber o que ele queria. Então decidi pôr os óculos e descobrir quem tanto queria falar comigo. Carreguei no botãozinho preferido dele e lá estava o nome FUTUREKIDS. A fim de evitar mais trocadilhos liguei para o nº indicado no ecrã para falar com a menina Sílvia única pessoa que pudesse querer ligar para mim. Atendeu-me uma voz magnífica que me disse: - Futurekids, Barreiro, Bom Dia, ao que eu respondi prontamente com um grande Bom Dia. Perguntaram-me de lá, quem está a falar?
Respondi: - Então ainda não conheceu minha voz? Será possível? Aí, a linda voz acordou-me de vez, quando me disse: - Eu não sou a Sílvia!... Baldes de água fria vieram sobre mim. Gelifiquei, o que diga-se de passagem não é preciso muito. Seguiram-se alguns segundos de silêncio ao fim dos quais abri a boca e pedi todas as desculpas e mais algumas, dizendo:
- Sou a mãe da Sílvia. A gargalhada foi geral e a Sílvia veio ao telefone para me dizer que nem sequer tinha sido ela que queria falar com a mãe desastrada.
Então, desta vez já acordada e de telefone em punho disse:
- Tenho que saber quem te fez falar. Neste preciso momento, o imbecil toca novamente e no seu mostrador evidencia claramente um grande despertador que saltitava diante dos meus olhos incrédulos.
Olhei para ele e pensei constrangida: - Coitado, só me queria acordar! Na realidade tinha sido eu que o incumbi dessa missão
celeste palma
Enviado por celeste palma em 31/08/2007
Reeditado em 02/10/2007
Código do texto: T632184

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
celeste palma
Portugal, 70 anos
36 textos (4060 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 22:38)
celeste palma