Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Criança sem rumo


Criança que sobes,
aquela calçada.
Arrastas teu corpo.
Estás tão cansada.
De andrajos coberta,
que não cobrem nada.
Os pés, entronxados
em tiras de nada.
E eles já sangram,
e não sentes nada.
Teus olhos mortiços,
já não vêem nada.
Nas mãos, tão gretadas,
sujas e manchadas.
Seguras sem jeito
umas côdeas magras.
Que te foram dadas,
por mãos caridosas.
De meia janela
logo fechada,
à dor e  miséria,
que não querem ver.
E não vêem nada`.


Criança que sobes,
aquela calçada.
Tua caixa de graxa,
está tão pesada.
O tempo não conta,
não te serve de nada.
O tempo a passar,
e tu a subir .
O cansaço a crescer,
e tu a insistires.
E tu sem sentires.
Agora teus pés,
 arrastando vão.
o lixo, que encontram
atulhando o chão.
As côdeas de pão?
Já as não tens não.
Ficaram para trás.
Comeu-as o cão,
apanhanhou-as do chão.
Ele, que te acompanha
 fiel e rendido,
no mesmo destino,
que os agrilhoou,
e que os aliou.
Teu amigo é .
Tua consolação.
Juntinhos adormecem,
enrolados no chão,
de pedras frias,
escorregadias,
do inverno rigoroso.
 E muito penoso.
É o único carinho
 do teu coração.
O teu guardião.
No meio do mundo,
cheio de perversão.
Impiedades sem fim,
não merecem perdão.
Quem passa por eles
Arreda-se bem.
Com muito desprezo
e muito desdem.
Chamam-lhe o traste
que julga ser gente.
Afronta as gentes,
que correm apressados
Que vão à missa
das seis da tarde.
 De terço na mão
 e, muita devoção.
E tão piedosos...
E bem emproados.
E cospem no chão..
de tão enjoados.
do cheiro que exala.. .
daquele desgraçado...
Que de tão cansado,
de tão arrastado,
de tão assustado,
 e inanimado.
caiu no chão.
Só o seu amigo.
O pequeno cão,
lhe lambe as mãos.
Emite ganidos.
Que são lamentos.
Que são ouvidos.
Mas ignorados,
pela gente que passa,
de tão apressados.
para a missa das seis.
 Terá começado?

Ele sabe que por fim.
Ficará sozinho.
No mundo perdido.

Menino cansado
Que subias a calçada.
Chegaste ao termo
da tua jornada.
E no limite do fim,
uma luz te cobriu,
que do céu desceu.
Um manto diáfano,
paira sobre a cena
que a vida armou.
A igreja está cheia.
e ninguém percebeu.....
que ali, nada aconteceu.
Porque foi mais abaixo
no meio da calçada
que a missa se fez
silenciada.
.
Os sonhos, esses ficaram,
gravados para sempre
no chão da calçada.
Eles são do menino,
que jogava o pião.
Brincava na rua .
Tinha cama e pão
e tinha o seu cão. .
E eras feliz .
Tinha alegria.
Sonhava de noite
e até dia.
Era a magia,
do seu coração.
Sua voz se ouvia.
Gritava e cantava.
Sabia falar
e cumprimentar.
quem por si passava.
Sabia escrever.
Sabia ler.
Sabia rir.
E quanta alegria.
ele sentia
 e a repartia,
com tanta emoção,
por alguém, que lhe enchia
o seu coração.
E quando a ouvia
chamá-lo de mansinho,
 quando lhe dizia:
“Vem meu filhinho,
 vem, a janta esta pronta,
 não vá esfriar”
 
Uma cortina gasta ,
escondia a entrada.
Uma toalha remendada
muito desgastada,
de linho bordada.
mas muito limpinha.
Cobria a mesa
posta na cozinha.
Um prato de comida fumegava .
A mãe de olhos doces,
o abençoava.
Dava-lhe beijos
e o abraçava.
Com força demais.
Que a deixava esgotada.
 Esmorecida e estonteada,
de fraca que andava.



Quê dê da mãe
do menino da calçada?
Que subia triste nesse entardecer.
A caminho do casebre
que fora a sua morada.
 Já muito vazia.
Já não tinha nada.
Levou-a a morte
Numa madrugada.
E desta história
Não ficou mais nada….



De Tétita
 
Setembro de 07

Tetita
Enviado por Tetita em 01/09/2007
Reeditado em 02/09/2007
Código do texto: T633775

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tetita
Setúbal - Setúbal - Portugal
1397 textos (81098 leituras)
65 e-livros (5632 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 03:43)
Tetita