Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coisa de Cinema!

Indiada do Recanto das Letra!
 
Pois tamô ai de vorta prá contá os causo assucedido quando o Tercero Distrito entrô na era do cinema.
Pipoca numa mão, refriski notra, se abanque que aí vai a premera parte:
Luz ! Cãmara ! Açã !!!
O cinema se achegô por aqui quando o véio meu pai apareceu, na vorta de uma de suas viage, com um apareio que prá carregá percisava duns quatro peão bem troncado. Era o projenitor de cinema, movido a Karozena Jacaré !
O Bolicho do Leopoldino que já era o Salão dos Fandango, a Posta Restante dos Correlho, a Central da Boataria e a Sub-Perfeitura, acabô virando também o cinema da vila.
Todas as Quarta chegava uma fita nova no trem de Santa Maria e uma comitiva comparicia na estaçã ferroviália prá recebê a obra que era levada pro Prof. Libério traduzi o nome pro Bagualês.
Na Quinta de manhã o filme já tava anunciado lá na fachada do Bolicho, num baita dum cartaz escrito com o pincel responsáve pela introduçã do Tercero Distrito nas era atômica !
E finalmente a aguardada noite de Sexta-fera quando o povo se apinhava na frente do Leopoldino e o bafáfá do "cheguei premero!" causava tanta confusã que prá acabá com as rusga tivemo que inventá um sistema, ao qual demo o nome de "Bicha"!
No início, prá não imbaraiá dimais as idéia da indiada, se escoieu umas fita que acompanhava a evoluçã que o cinema houvera tido no resto do mundo. Nas premera semana só filme mudo! Com a pratéia rindo mais do atrapaio do Maneco tentando acompanhá a cena solando na cordeona do que das paiaçada do Carlito...
Dispois veio as comédia pastelão, que foro logo abolida por causa que o pessoar gostô dimais da fulia, e o Leopoldino nem um poco! Devido ao lastimáve estado de emporcaiamento que ficava o Bolicho dispois da seçã !
Uma campanha de desarmamento urgiu sê feita dispois que um lençol de cambraia, novinho em fôia, da patrôa do Leopoldino foi extrachinado à bala quando da apariçã de um baita gavião na abertura
dum filme da Columbia.
Nas Sexta-fera de Lua Cheia, sempre tinha filme de Van Pir! E o faturamento do Bolicho aumentava uma berada pelo consumo de muita água ardente...Nunca se sobe a relaçã existente entre os filme de Van Pir e o fato da totalidade da pratéia, a fina frô da gaúchada mais macha impossíver, sempre arresorvê vará a noite bebendo e só vortá prá casa quando o dia tava clareado, bem clareadinho...
Memoravê também ficaro as traduçã dos títalo que o Prof. Libério fazia. Ele nunca perdia nenhuma chãncha de mostra toda a sua erudiçã e bom senso.
Eis alguns exempro:
Aquela famosa fita dos Ripe! Recebeu o nome de "CABELO"...
A popagranda acabô atraindo os barbero de toda frontera, que lotaro a estréia. Aos poco, a música, o colorido e a alegria da Ripaiada acabô conquistando a pratéia, e o que tinha tudo prá virá num baita dum mal entendido, acabô num tremenda sucesso de bieteria !
Otra maravia foi a "NAVAIA CORREDERA" ! De novo a barberage tomô conta do Leopoldino, desta vez prá se arripiá de emoçã quando a lágrima se misturô-se com a chuva...Uma das cosa dita mais linda
qui já se iscuitô aqui no Tercero Distrito !!!
Para "O PENTEIO" do Jim Quérri, o Prof. Libério feiz uma traduçã muito puritana em nome das moral e dos bom custume, resultando num respeitoso "PÊLO PUBIANO"...
Já na obra "9 E MEIA SEMANA DE AMOR", o Prof. se intusiasmô dimais com a belezura da Kim Bésingri e mandô às fava a tar das moral e dos bom custume: "QUASE DOIS MEIS E MEIO IMPERNADO COM A ALEMOA
COSA MAIS LINDA DESTE MUNDO !!!" Foi recordi de tamanho de cartaz e de tempo de exibiçã: meio ano, sempre com bicha!
E prá finalizá a listra, aquela crássica história dum Maragato qui vivia em parceria com uma indiada, correndo pra cima e pra baxo campeliando boi xucro: FANDANGUIANDO COM A CACHORRADA !!!

Bueno, prá não me alongá demais, deixo prá contá dispois o momento mais tenso da história do cinema Tercero Distritense, vivido durante a projeçã de "2001", que merece um causo a parte...

Longa vida ao Cinema!

Steve Johnson de Almeida Scorsese

 
Steve Johnson de Almeida
Enviado por Steve Johnson de Almeida em 04/09/2007
Reeditado em 11/12/2009
Código do texto: T638327
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Steve Johnson de Almeida
Taquaruçu do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 59 anos
50 textos (3914 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 01:49)
Steve Johnson de Almeida