Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Literatura Morta

Sentado pelas margens de um riacho
Admirando o crepúsculo carmesim
Confiando minha vida em devaneios passageiros
Quando minha agonia demora a esvair

Nunca disse não ao que precisastes
Conformei-me de perder metade de meu caminho
A outra a neve fira escondeu

Labirintos de lembranças usurpam minha sanidade
Estou a um passo de voltar atrás
Quando fecho meus olhos e sinto sua pele
Sou um andarilho negado a poder dormir

Tento me controlar porem nada é real
Preso a uma cadeia de desilusões
Medo congela meu ultimo suspiro
Ao pé do último jardim da primavera

Trancafiado em um mundo de cristal
Paredes de espelho mantêm-me só
Meu coração bate o ultimo tic-tac
Os ponteiros se cruzam para sempre

Uma estatua de mármore aos pés da redenção
Uma alma selvagem que não conhecera o perdão
Um pôr-do-sol sem sua aurora divina
Um livro sem capa ou conteúdo

O caminho escondido pela neve nunca mais aparecera
Os espelhos partidos espalhados pelo cosmos
Uma canção solitária quando o sol nunca brilhar
Um lobo sem sua matilha que não conhecera o amor

 
Marcos Ses
Enviado por Marcos Ses em 10/09/2007
Código do texto: T646770
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcos Ses
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 30 anos
50 textos (1523 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 04:55)
Marcos Ses