Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Solidão Dorme de Pijama


                             
                                Queimo poesia seca
                                para espantar a solidão.
                                Mas ela sempre se aconchega
                                me charuta em folha seca
                                e me pega pela mão.
                                Agora tudo é deserto
                                dentro do meu coração.

                                Caminho, eu a levo
                                a tiracolo, somos tão íntimos,
                                eu e a minha solidão.

                                Na casa da poesia,
                                eu sempre a saúdo:
                                Solidão, amiga, seja bem-vinda!
                                Já estava ficando com saudades.
                                (Isso eu falo baixinho para ela não
                                 escutar. Vai que queira repouso
                                 e também me jantar).

                                 Mas entre, venha se sentar.
                                 Palavrão Cabeludo vá buscar
                                 serventia e trate de se pentear,
                                 oh! menino teimoso!
                                 E não me vá servir a nossa amiga
                                 com coisa feia.
                                 Ande, vá buscar o bálsamo
                                 com Maria, e não me vá pelo caminho
                                 xingando a poesia.
                                 Nem vá dar delírios a mãos cheias.

                                 Percebeu como já é antigo
                                 nosso convívio?
                                 Tome seu licorzinho,
                                 é aquele seu preferido
                                 depois do jantar.
                                 Não se incomode, fique sentada,
                                 eu acendo seu charuto, assim
                                 podemos nos tragar.

                                 Puxa! Já vai?
                                 É cedo, menina, o Palavrão Cabeludo
                                 ainda nem foi se deitar!

                                 Bom: Compromisso é compromisso.
                                 Mas volte sempre, é sempre um
                                 prazer recebê-la na ponte, no mar,
                                 no pôr-do-sol, no bar, e além do
                                 horizonte.

                                 E assim que ela sai,
                                 o Palavrão Cabeludo se descabela.
                                 Oh! menino genioso!
                                 Já pensou se ela volta?



               

            (Sétimo lugar no Concurso Internacional de Poesia).
Américo Paz
Enviado por Américo Paz em 19/09/2007
Reeditado em 09/12/2007
Código do texto: T659001

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Américo Paz
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 55 anos
369 textos (146003 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 18:25)
Américo Paz