Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema passageiro

Os amigos passam
E os olhos dos leitores também.
Os olhos amigos ficam,
Poesias me lembram.

Enquanto eu luto
Num mar de crocodilos,
Existem momentos de descanso,
Quando eu posso escrever aliviado.

Um ano de luta infinda,
Peleja travada de perto,
Eu finalizo aos poucos sincero
Uma estrofe que expressa o meu drama.

Uma poesia que relata
A sorte de um homem.
Irônico é a vida,
Porque sua doçura pode arder, se é que me entendem.

Mas a esperança da luz
Permanece na chama
Que oscila e seduz
O poeta que ama.

Ah condição duradoura,
Deverias acabar,
Visto que findas,
Mas insiste em ficar.

Percebo agora o fim,
Bem próximo dessa experiência angustiada,
Seguido de um começo afastado de mim,
Mas disso só uma coisa é boa, se minha experiência aguça.


              H. P. Simões
Ulisses de Maio
Enviado por Ulisses de Maio em 23/09/2007
Reeditado em 27/01/2008
Código do texto: T664491

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ulisses de Maio
Fortaleza - Ceará - Brasil, 30 anos
1248 textos (16548 leituras)
21 áudios (172 audições)
16 e-livros (109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 18:49)
Ulisses de Maio