Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAMINHO DO EU DIABO QUE COMPÔS TELA

Fui de novo eu quando desci de mim,
porque lá de cima residia o Eu sobreposto.
Um eu em degrau de escada velha de cabelo,
que se sustentavam por fios de pregos sedosos.

Fui de novo eu quando saltei de mim,
porque entendia oportuno ser Farol de Itapuã.
Iluminava sem o bumbum e o suor do da Barra.
(um carnavalesco por estirpe, não por ensejo).

Fui de novo eu quando me vomitei de mim,
porque aqui dentro jazia o Eu gasificado.
Convivia ensopado de meus ácidos de dragão
e seus refluxos de fogo, com azia do espírito.

Fui de novo eu quando me desliguei de mim,
porque aqui esse Eu me refletia por todo canto,
como pisca-pisca chinês de árvore de Natal
regendo sinfônia de hebréias bolas de cristal.

Fui de novo eu quando vim ao mundo de mim,
porque já se passaram nove, ímpares ventres,
desde o dia em que me fecundei nisto aqui
pra gerar o Eu diferente de todos que vivi.


VISITE MEU BLOG
WWW.IDEIADEJERICO.COM
André um Jerico
Enviado por André um Jerico em 04/10/2007
Código do texto: T680959

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andre Barbosa de Oliveira www.ideiadejerico.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André um Jerico
Monte Santo de Minas - Minas Gerais - Brasil, 47 anos
56 textos (824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 19:30)
André um Jerico