Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

On my way home

  Ah, por que sempre laçar um começo difícil, arredio a meus vôos?
  .............................................................................................
  Enfim, pinto aqui as páginas de uma outra história, filha, quem sabe, de um devaneio meu (gritante) ou de uma (tão surda) sensatez...
  .............................................................................................
  Bom, os hai-kais são os seguintes:

Justificativa

Ai, que este entusiasmo
Arfante (co'ar de rompante)
Deixa um ser tão pasmo!

(Avenida Josípio Lustosa)

Unção

Banho tão brando,
Já não me envergonho
De estar co'este sonho -
Falando!

(Avenida Josípio Lustosa)

Quando vos vejo...

Um triste cortejo
Sem mar de lárimas... Ah,
Por que não? Trovejo!

(Home)

Gracejo

Ouvi(-)dos franceses:
É a Vida...
Poetar às vezes -
Pela avenida!

(Home)

  Agora, é atentar-se para um detalhezinho de nada: Os lugares onde baixaram os poemas (Minha casa e a avenida central de meu bairro).
  .............................................................................................
  Pois bem, sem mais delongas, à pergunta: "De onde surgiu essa agora?", e a resposta: "Ao ser um dia apresentado pelo haicaísta Luiz Solda a uma das belíssimas flores da grande Yuuka ou de Alice Ruiz simplesmente, deparei-me com Florianópolis e a Capital Porto Alegre ao final de algumas pétalas suas. Havia mais cidades, é claro! Mas a memória, velhinha minha decrépta, já anda pelas turras ...e luas de outras vidas!! Por fim, entre as viagens de Alice, apresentou-se uma pequena maravilha; a de viajar-se por aqui mesmo (ou não)":

Insatisfação
 
Entre um pastel e outro,
Vou digerir em meu quarto -
O olhar do mendigo.

(Rua Álvaro Mendes)

Via Shopping

Baba em teu uniforme
(Bem engomado)
Um peão que dorme!
Ó fado...

(Home)

Ora, quem não se recorda, afinal, de Fernando Pessoa?!
  .............................................................................................
  Já em relação a subir no telhado ou a chutar pedrinhas, eu prefiro (mais do que nunca) ao toque do que à contemplação!
  .............................................................................................
  Então, em "Justificativa", como já nos sugere o título em si, é uma explicação, carente ou magrinha de Poesia até, diria... Mas com a faceira gota de um fado; em "Unção", enterrado o receio, o atrevimento (romântico) de quem já conversa com o próprio sonho – A Poesia aqui até que me sorriu de relance; agora, em "Quando vos vejo...", sinto a presença de uma certa e bisbilhoteira filosofia: O entusiasmo que leva a um título, porém, indisfarçável cortejo, feito pelo eu-lírico, e cômico, e dramático, que, já bem seco de suas dores ou pronto p/ outras chuvas, troveja, cavalga entre valkírias, palpita e segue! Mas... por um acaso, Deus meu, será sinal sempre de indiscutível chuva quando o céu (em si) troveja?! Eu acho que não, mas... para finalizar, em ("meu") "Gracejo", deixo algo de Leminski, para que não se perca (de mim) Alice (entre chás e coelhinhos)...

a 23/12/06
Luciano Almeida
Enviado por Luciano Almeida em 08/10/2007
Reeditado em 17/01/2009
Código do texto: T685941

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luciano Almeida
Teresina - Piauí - Brasil, 38 anos
957 textos (39783 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 17:19)
Luciano Almeida