Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Pagamento



       Justino foi trabalhar na fazenda do Coronel Rodrigues com o propósito de juntar um bom dinheiro e melhorar de vida. Esta certeza, porém, durou pouco, ao descobrir que os trabalhadores da fazenda, eram mantidos em condições análogas a escravidão, principalmente, quando precisavam de alimentos ou de algum objeto de uso pessoal. Assim, em vez de ganhar dinheiro, passou a acumular dívidas que o prenderiam na fazenda por muito tempo, se não fosse embora. Um sentimento de revolta o invadiu.
        Procurou o coronel e expôs suas dúvidas. Sem pagar a divida era impossível sair, lhe avisou o fazendeiro. Ele não deixaria. Mas, depois de muita discussão e só após a assinatura de uma nota promissória, imposta pelo coronel, ele conseguiu sair da fazenda. Não tinha outra saída. Do contrário, nunca conseguiria pagar suas dividas e ainda, teria que fazer novas. O Coronel Rodrigues era um homem poderoso. Amigo de políticos, tinha o delegado e a polícia em suas mãos. Por isso era uma pessoa sem escrúpulos e perigosa que se aproveitava da situação dos fracos para se enriquecer.
       Alguns meses depois que Justino saiu da fazenda, a nota promissória venceu. Propositadamente, não foi acertar a conta. Não tinha como pagar. Gastara suas poucas economias para reativar um sítio que recebera de herança do pai, recentemente falecido. Quieto no seu canto pusera-se, então, numa tocaia defensiva, pensando, pesando, calculando, pois não pretendia pagar aquela dívida.
       Cansado de esperá-lo, o fazendeiro mandou-lhe um recado. Quem levou foi o capataz. Um matuto forte, criado na fazenda, acostumado a lidar com burro bravo e fiel como um cachorro. Naquela noite, Justino estava sentado na sala, tinha acabado de acender um cigarro de palha, fumava e pensava na vida quando bateram a porta com força. Manteve-se perfeitamente imóvel, fumando e pensando. Novamente bateram e insistentemente, chamaram o seu nome. Aí, levantou-se e foi atender. Não ficou surpreso ao ver o capataz. Há muito tempo o esperava. Ele entrou e passou logo o recado:
  - Toma muito cuidado, porque a coisa vai ficar feia para o seu lado. O homem mandou lhe dizer que se você não for logo acertar o pagamento, ele vai tomar as devidas providências. Vem aqui com o delegado, prende você e o deixa passar um bom tempo na cadeia. Ele disse que não vai deixar por menos. Você sabe que o homem não gosta de perder.
        Deu o recado e não falou mais nada. Abriu a porta e saiu. Justino não se intimidou. No dia seguinte, um pouco antes do meio dia, foi até a fazenda falar com o fazendeiro, e propôs rolar a dívida. Começou dizendo que queria pagar, mas não tinha conseguido juntar o dinheiro todo, por isso, precisava de tempo. O fazendeiro, porém, estava irredutível. Não prorrogaria a dívida de jeito nenhum, nem se a mãe pedisse. O pior, teria que pagar com juros e multa pelo atraso.
        Não viu naquele homem nenhum indicio de que não usaria a força, caso fosse preciso. Voltou para casa com a mesma disposição de não pagar a dívida, pois tinha a esperança de encontrar um jeito de escapar daquilo que considerava um roubo legalizado.
        Dois dias depois, o fazendeiro mandou outro recado. Para seu desgosto, o portador lhe assegurou que, se ele não fosse pagar a dívida imediatamente, o homem viria com a polícia. Justino estremeceu. Pelo visto, o coronel não estava brincando.
       No dia seguinte, quando se dirigia à fazenda com alguns trocados para tentar ganhar tempo, viu próximo à cerca, o cavalo predileto do fazendeiro. Aquela visão deu-lhe uma boa idéia. Com certeza o libertaria, para sempre, da dívida. Voltou para casa e esperou anoitecer.
       A noite voltou à fazenda. O coronel já estava deitado. Justino bateu a porta. O homem respondeu zangado que voltasse no outro dia. Ele gritou que viera pagar a divida e pediu que trouxesse a promissória. O tom de sua voz refletia uma calma verdadeira e o coronel não teve dúvida. Mandou que esperasse. Alguns minutos depois, ele apareceu trazendo a promissória. Justino apontou para o vulto de um cavalo amarrado embaixo da árvore em frente ao curral e disse que não tinha dinheiro, mas trouxera um cavalo para pagar a dívida. O fazendeiro viu e gostou. Ficou satisfeito, mais pelo fato de receber um divida enrolada do que pelo animal, que mal podia ver. Rasgou a promissória na frente de Justino, desobrigando-o da dívida. Depois, mandou que soltasse o animal no pasto e fosse embora porque queria dormir. Antes de fechar a porta, esperou para ter certeza, e viu Justino soltar o cavalo no pasto.
        Pela manhã, o coronel se aproximou da janela, os olhos pendulando entre a pastagem e as cercas de arame, sinuosas e infindáveis marcando a vastidão da sua fazenda. Sentiu-se calmo. Prendeu a respiração com a mesma sensação de quem vê o paraíso. Mas o fascínio, só durou um instante, pois foi interrompido por uma descoberta desconcertante: havia apenas um cavalo, o seu predileto.  Nenhum outro mais. Compreendeu, então, que fora enganado pela inteligência de um matuto.


Vanderlei Antônio de Araújo
Enviado por Vanderlei Antônio de Araújo em 08/10/2007
Código do texto: T686341

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vanderlei Antônio de Araújo
Goiânia - Goiás - Brasil, 75 anos
85 textos (10802 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 03:24)